Moraes libera conta bancária de empresários bolsonaristas

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Collage Maker 15 Sep 2022 05.11 PM

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o desbloqueio das contas bancárias de oito empresários bolsonaristas. Eles são investigados por suposta integração em um esquema de financiamento de atos antidemocráticos durante o feriado nacional da Independência.

Os empresários são Luciano Hang, Afrânio Barreira Filho, José Isaac Peres, José Koury Junior, Ivan Wrobel, Marco Aurelio Raymundo, Luiz André Tissot e Meyer Joseph Nigri. Nas conversas entre eles, defenderam uma ruptura democrática caso o presidente Jair Bolsonaro perca as eleições de outubro.

Segundo Moraes, o desbloqueia se justifica por já ter passado o feriado de 7 de setembro e após o afastamento do sigilo bancário dos investigados, o que possibilitará o aprofundamento da investigação.

Medida urgente

Na decisão, o ministro destacou que os empresários, em trocas de mensagens pelo WhatsApp, declararam expressamente a intenção de desestabilizar as instituições democráticas, com ameaça à segurança dos ministros do STF.

Segundo o relator, o bloqueio das contas bancárias foi medida adequada e urgente, diante dos indícios da atuação dos empresários para fornecer recursos para fins escusos nos atos do 7 de setembro.

As condutas verificadas podem configurar os crimes de incitação de animosidade das Forças Armadas contra os poderes constitucionais, associação criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado.

Bolsonaro ataca Moraes

O presidente Jair Bolsonaro chamou de ‘vagabundo’ o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no início desse mês. Em evento de mulheres no Rio Grande do Sul, Bolsonaro se referiu a Moraes sem mencionar seu nome ao dizer que ele deu uma �??canetada�??, em referência à decisão do ministro que autorizou ação contra oito empresários bolsonaristas que estariam conspirando contra a democracia em grupos de WhatsApp.

“Não é porque tem um vagabundo ouvindo atrás da árvore a nossa conversa que vai querer roubar a nossa liberdade. Mais vagabundo do que esse que está ouvindo a conversa é quem dá a canetada após ouvir o que ouviu esse vagabundo” disse Bolsonaro durante o encontro “Mulheres pela Vida e pela Família”, realizado na Fenac, em Novo Hamburgo (RS), na região do Vale dos Sinos, pelo Partido Liberal.

A PF apreendeu celulares, computadores e outros equipamentos em endereços ligados aos oito empresários. As conversas deles foram divulgadas pelo portal Metrópoles. Moraes incluiu os empresários no inquérito que investiga atos antidemocráticos no país – alguns deles já eram alvos. 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Bolsonaro chega acuado a ato e busca demonstrar força política contra investigações

MARIANNA HOLANDA E GABRIELA BILÓBRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Jair Bolsonaro (PL) aposta mais uma vez numa manifestação na avenida Paulista, em São Paulo, para tentar demonstrar seu capital político. Neste domingo (25), o ex-presidente tem como principal objetivo apresentar um retrato de que mantém apoio popular e, dessa forma, reagir ao avanço das investigações sobre

Influenciador português que entrevistou Bolsonaro diz ter sido detido pela PF no Brasil

O influenciador português Sérgio Tavares, que recentemente entrevistou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) em uma live em seu canal no YouTube, postou um vídeo em seu perfil no X (antigo Twitter) em que diz ter sido detido pela Polícia Federal (PF) no Aeroporto de Guarulhos (GRU) ao desembarcar no Brasil, na manhã deste domingo, 25.

Em último ato na Paulista, Bolsonaro chamou Moraes de canalha e atacou urnas e o STF

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) deve discursar na tarde deste domingo, 25, em um ato convocado após ele se tornar alvo de investigação sobre tentativa de golpe de Estado. A manifestação vai ocorrer na Avenida Paulista, em São Paulo, uma via pública conhecida como palco de atos políticos - e não será a primeira vez