No Catar, fizeram teste no estádio da final e acharam até �??defeitos�?�

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

A dois meses da abertura da Copa do Mundo, acabaram de fazer um teste no Estádio Lusail, que será a sede da grande final, dia 18 de dezembro. Todos os estádios já estão prontos, bem como as obras de infraestrutura. Mas era importante testar o palco da finalíssima.

Um jogo entre Al Hilal e Zamalek, pela Supercopa local, reuniu 77 mil torcedores, e os organizadores estão ate agora reunidos para detectar os problemas que ainda podem ser corrigidos.

São probleminhas pequenos (quase insignificantes, na verdade) se comparados com aqueles que presenciamos aqui no Brasil, antes, durante e depois da Copa do Mundo de 2014.

Recorde-se, por exemplo, que, oito anos depois do torneio sediado pelo Brasil, muitas obras de infraestrutura, que deveriam ter sido entregues em 2014, até hoje não foram terminadas. 

De todas as 12 cidades-sede brasileiras, 11 têm algum projeto que chegou a ser prometido para a Copa e ainda está inacabado.

Falta de dinheiro, problemas com empreiteiras, contratos rescindidos e impasses judiciais e com desapropriações estão entre as causas do atraso na conclusão dos projetos. 

Veja a seguir o que eles estão considerando �??problemas sérios�?� no Estádio Lusail, chamado de �??A Jóia do Deserto�?�:

O teste no palco da grande grande final O confronto da Supercopa Lusail, entre Al Hilal e Zamalek, que viu o saudita Al Hilal levantar o troféu, foi um teste importante o palco da final do Mundial do Catar. Mas surgiram algumas críticas dos espectadores, que estão sendo avaliadas pelos organizadores.   

 Dado o grande público, o comitê da Copa alocou vários estacionamentos ao redor do estádio para acomodar os torcedores que optaram por dirigir até o novo local.

Enquanto centenas de ônibus estavam à disposição para transportar os torcedores, muitos disseram que alguns estacionamentos não ofereciam serviços de transporte para transportar as massas.  Uma pessoa disse ao site  Doha News que ele e sua família de cinco integrantes tiveram que caminhar em um clima de 35 graus por mais de 45 minutos para chegar ao estádio.

 �??Eu tive que carregar meu filho pequeno porque ele estava cansado de andar e estava muito desidratado.  Não havia água, os voluntários ficavam dizendo �??não sei�?? toda vez que eu perguntava o quanto faltava�?�, disse Mohammed, pai de três filhos.

 �??Minha esposa quase desmaiou.  Foi uma experiência muito ruim para todos nós.�?�

 Mohammed não foi o único lutando para encontrar ajuda.  Muitos torcedores foram às mídias sociais para expressar sua frustração com o que chamaram de �??falta de organização�?�, com vários alegando que a partida não teve voluntários suficientes para ajudar com o grande número de torcedores que se aglomeraram no estádio.

 �??Muitos deles não tinham noção, mas não acho que seja culpa deles, sabe.  Eu diria apenas falta de treinamento adequado, quase como se fossem apressados �??�??antes de estarem prontos ou tivessem conhecimento suficiente do estádio�?�, disse um torcedor.

 �??Passei 20 minutos procurando o banheiro feminino.  Por alguma razão, ninguém sabia onde estava.  Todos deram as direções erradas.  Foi muito cansativo e frustrante�?�, acrescentou outro.

 Assim que os torcedores chegaram ao estádio, muitos reclamaram da falta de água De acordo com as denúncias, os vendedores ficaram sem água fria ou não tinham água no momento em que as pessoas correram para beber, depois de caminhar por mais de 30 minutos.

 Um pai disse que passou 20 minutos tentando encontrar uma garrafa de água para sua filha de 5 anos, depois que o segurança pegou a garrafa dela no portão.  De acordo com as regras do estádio, nenhum líquido é permitido dentro.  No entanto, quando o pai de Majda deu sua água para entrar, ele não sabia que estaria lutando para encontrar uma garrafa de água 30 minutos após o início da partida.

 Felizmente para Majda, um voluntário notou que ela estava chorando e deu a ela sua própria água que estava fechada. 

 �??Serei eternamente grato a esse jovem porque não consigo imaginar o que teria feito se ele não ajudasse.  Mas nem todo mundo tem a mesma sorte que eu.  O que faremos durante a Copa do Mundo?  Não quero nem ir mais�?�, disse.

 Hussain Al Ashaq, um proeminente influenciador do Catar, disse em sua live no Snapchat que não conseguiu encontrar água ou bebidas geladas após a primeira metade do jogo.

 �??Não há água, nem Pepsi, nem comida.  Todo mundo está lutando para tentar encontrar algo para comer ou beber�?�, disse ele, mostrando centenas de pessoas correndo para sair do estádio nem na metade do jogo.

Quer ficar por dentro de tudo que rola no mundo dos esportes e receber as notícias direto no seu celular? Entre no canal do Metrópoles no Telegram e não deixe de nos seguir também no Instagram!

O post No Catar, fizeram teste no estádio da final e acharam até �??defeitos�?� apareceu primeiro em Metrópoles.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Dino propõe fim da aposentadoria compulsória para juízes e militares

Prestes a deixar o Senado para assumir o posto de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Flávio Dino (PSB-MA) disse nesta terça-feira (20) ter conseguido número suficiente de assinaturas que possibilitará iniciar a tramitação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para retirar direito à aposentadoria compulsória de juízes, promotores e militares que tenham

Padilha afirma ter discordado sobre resolução de PT que ataca ‘austericídio’

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou na noite desta segunda-feira, 19, em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, que existem posições do Diretório Nacional do PT, partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nem sempre em linha com o governo, ou vice-versa. O tema que causou atrito foi uma resolução política

Lei protege sigilo de conversa de advogado exposta pela PF em caso de Moraes

(FOLHAPRESS) - A inviolabilidade da comunicação entre cliente e advogado só pode ser quebrada se há a suspeita de que o profissional esteja envolvido com práticas ilícitas, afirmam especialistas ouvidos pela reportagem. Eles veem na quebra do sigilo um risco à garantia de ampla defesa. O assunto voltou a ser debatido no meio jurídico com