TSE nega direito de resposta a Alckmin em propaganda de Bolsonaro

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto
O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) negou um pedido de direito de resposta da campanha da chapa Lula-Alckmin contra propagandas da campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL). A decisão foi dada pela ministra Maria Claudia Bucchianeri.
Durante o horário eleitoral, Bolsonaro usa falas antigas de Geraldo Alckmin (PSB) em que criticava o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
O argumento da chapa Lula-Alckmin era que as falas foram apresentadas fora do contexto. A ministra disse que não se trata de caso de direito de resposta, pois é comum na política a mudança de posicionamento. Além disso, ela argumenta que não há questionamento sobre as falas, mas sim sobre o uso.
  • Leia mais: Vantagem de Lula é folgada? Por que pesquisas dão resultados diversos
Em 2018 o TSE também negou um direito de resposta semelhante. Na ocasião, Alckmin veiculava falas públicas antigas do presidente Jair Bolsonaro, na época candidato à Presidência, contra mulheres. Na época, o TSE negou o direito de resposta a Bolsonaro.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Estados do Sul e Sudeste assinam pacto contra o crime organizado

Estados do Sul e do Sudeste firmaram no sábado, dia 2, um Pacto Regional de Segurança Pública para enfrentar o crime organizado. Um gabinete integrado de inteligência será criado para compartilhar informações e os policiais farão cursos conjuntos para aumentar a integração entre as forças de segurança e padronizar procedimentos e técnicas. O pacto propõe

Ministros do STF veem ilegalidade em anistia a Bolsonaro e preveem derrubada de medida

MATHEUS TEIXEIRABRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) afirmam nos bastidores que não há chance de uma possível anistia a Jair Bolsonaro (PL) ou a condenados por participação nos ataques de 8 de janeiro ter validade e ser implementada para livrar o ex-presidente e seus aliados de eventual julgamento na corte.

Barbeiro de 20 anos é condenado a 11 anos e seis meses de prisão por participar do 8 de Janeiro

O Supremo Tribunal Federal (STF) condenou nesta sexta-feira, 1º, o barbeiro piauiense João Oliveira Antunes Neto a 11 anos e seis meses de prisão por participação nos atos golpistas de 8 de Janeiro. Antunes Neto tem 20 anos, e além de barbeiro, se identifica como um "jovem cristão pregador do evangelho de Jesus Cristo". O