Conselhos aos governantes (por Gustavo Krause)

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

É o título do volume 15 das Edições do Senado Federal com mais de 800 páginas que congrega textos de 13 autores sobre o assunto e primorosa apresentação do ilustre pernambucano Walter Costa Porto.

Vai das recomendações do grego Isócrates (436 a.C – 338 a.C) ao seu discípulo Nicoclés, rei de Salamina, às duas cartas de D. Pedro II à filha Isabel, então regente, por ocasião das viagens do Imperador.

Nessa coletânea, estão, entre outros, textos de Platão, Cervantes, Mazarino, Maurício de Nassau, e o mais famoso de todos, O Príncipe, de Maquiavel.

Além dos mencionados exemplos, há uma vasta literatura que se propõe aconselhar os governantes na tentativa de moldar comportamentos e influenciar decisões dos detentores do poder político.

Entre detratores e admiradores, caminha o mais injuriado gênio da raça, Maquiavel, a quem o biógrafo Roberto Ridolfi denominou de “o profeta desarmado†e cujo epitáfio, escrito em latim, faz justiça ao florentino: “Nenhum elogio corresponde à grandeza deste homemâ€.

Foi Maquiavel, sabiamente, que colocou um freio em todos que pretendem “educar o Príncipeâ€, dando conselhos, ao advertir: “O Príncipe deve sempre aconselhar-se, mas quando ele próprio e não outrem o julgue conveniente […] Os bons conselhos venham de onde vierem, nascem forçosamente da sabedoria do Príncipe e não a sabedoria do Príncipe nasce dos bons conselhosâ€.

Ao descrever o que é e não o que deveria ser, a obra de Maquiavel é um formidável choque de realismo político na conquista e no exercício do poder de modo a manter a integridade do Estado.

A propósito, nestes tempos de transição entre o poder poente e o poder nascente, os novos governantes devem estar atentos não só aos ensinamentos de pensadores que têm validade universal, mas também, e sobretudo, às lições e exemplos, extraídos da experiência concreta do desafio de governar.

Neste sentido, é importante ressaltar a força e o valor de três constatações factuais.

Primeira, governar é a arte de gerar uma satisfação média entre os governados: agradar a todos é impossível e a poucos, fatal.

Segunda, o tempo de governar tem ritmos, não admite desperdícios. Há tempo de semear, tempo de colher e deve atender ao lema romano que se traduz em “apressa-te devagar†e significa trabalhar de maneira rápida, porém não apressada.

Terceira, resistir à praga dos aduladores que têm encantos mil, invejável capacidade de lisonjear e trair. Dissimulam, mas se entregam diante de holofotes como papagaios de piratas.

Gustavo Krause foi ministro da Fazenda

The post Conselhos aos governantes (por Gustavo Krause) first appeared on Metrópoles.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Lula escolhe novo juiz, e TRE-PR deve marcar data do julgamento de Moro

(FOLHAPRESS) - O presidente Lula (PT) escolheu o advogado José Rodrigo Sade para a cadeira de juiz do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Paraná, corte que julgará o senador Sergio Moro (União Brasil) em um processo com pedido de cassação movido pelo PT e pelo PL. A nomeação de Sade, que figurava em uma lista

STF vê ‘omissão’ e torna réus oficiais da antiga cúpula da PM do DF

O Supremo Tribunal Federal colocou no banco dos réus sete oficiais da antiga cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal acusados pela Procuradoria-Geral da República de omissão ante os atos golpistas de 8 de janeiro. Para a PGR, a conduta dos agentes favoreceu a invasão e a depredação dos prédios dos três Poderes em Brasília.

Bolsonaro, ex-ministros e investigados depõem à PF nesta quinta-feira

A Polícia Federal agendou para esta quinta-feira (22) depoimentos simultâneos do ex-presidente Jair Bolsonaro e seus ex-ministros Anderson Torres (Justiça e Segurança Pública), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Walter Braga Netto (Defesa), juntamente com o presidente do PL, Valdemar Costa Neto. O grupo é alvo de uma investigação sobre associação criminosa ligada a