‘Deputados se sentiram ameaçados a falar sobre processo eleitoral’, diz Lincoln Portela

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

O deputado federal Lincoln Portela (PL-MG) afirmou nesta quinta-feira, 3, que os parlamentares “se sentiram ameaçados a fala sobre o processo eleitoral”. A declaração foi dada durante o programa Prós e Contras, da Jovem Pan. Durante análise sobre as manifestações dos caminhoneiros nas rodovias do país, o deputado disse que a culpa é do “ativismo social” que existe no Brasil. “Os parlamentares que puderam participar indiretamente, que puderam não ir para as ruas juntamente com aqueles manifestantes que democraticamente fizeram o seu trabalho, evidentemente nós tivemos que ter uma certa prudência até por pedido das nossas lideranças maiores para que não sofrêssemos retaliações e não pudêssemos continuar com a maioria no Congresso“, iniciou. “Porque indiretamente nos sentimentos um tanto quanto ameaçados nesse contexto. Então uma ameaça as instituições democráticas é algo muito complexo”, acrescentou.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Tarcísio é o preferido para presidência, diz pesquisa feita no ato pró-Bolsonaro

61% dos manifestantes entrevistados durante o ato que ocorreu no domingo, 25, na Avenida Paulista, em defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), acreditam que o nome do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), é o melhor para concorrer à Presidência em 2026, caso Bolsonaro permaneça inelegível. O dado foi obtido pelo Monitor do

Rui Costa minimiza ato de Bolsonaro e diz que ex-presidente confessou crimes cometidos

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, avaliou que o ato do ex-presidente Jair Bolsonaro na Avenida Paulista no domingo, 25, ficou aquém do que foi divulgado pelos organizadores. Em sua avaliação, contudo, a surpresa foi em relação ao conteúdo das falas do ex-chefe do Executivo, o que o ministro analisa como uma confissão de

Entenda o que é a anistia pedida por Bolsonaro e seu significado histórico

"O que eu busco é uma pacificação. É passar uma borracha no passado." Com essa introdução, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), investigado por suposta tentativa de golpe de Estado pela Polícia Federal (PF), pediu anistia "para aqueles pobres coitados presos em Brasília", em seu discurso na tarde deste domingo, 25, no ato na Avenida Paulista.