Juristas querem mais mulheres na alta cúpula do Judiciário Brasileiro

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Magistradas brasileiras assinaram a “Carta de Brasília pela igualdade de gênero no Poder Judiciário”, resultado do seminário “Mulheres na Justiça: novos rumos da Resolução CNJ n. 255”, encerrado nesta sexta-feira (18/11), em Brasília. O evento foi organizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para debater ações afirmativas para garantir representatividade paritária às mulheres em espaços de poder dos tribunais, como os postos da alta administração, comissões, bancas de concurso e corpo docente das escolas judiciais. 

O documento é um conjunto de 20 medidas elaboradas por juízas e desembargadoras para dar efetividade ao princípio da igualdade entre homens e mulheres no Poder Judiciário. Uma das metas apresentadas é aumentar o acesso ao CNJ, com mais mulheres na composição do Conselho e em cargos-chave da administração, como a Secretaria-Geral e Diretoria-Geral. A representação paritária em órgãos de Justiça, cargos de direção e outros organismos de tomada de decisão é um objetivo recorrente no texto da Carta, que defende levar em conta raça/cor/etnia nesse processo de transformação.   

 
Quatro anos após o CNJ instituir a Política Nacional de Incentivo à Participação Institucional Feminina no Poder Judiciário, ainda não foi superada a sub-representação feminina na Justiça brasileira, apesar de alguns avanços. De acordo com a conselheira supervisora do Grupo de Trabalho que acompanha o cumprimento dessa política judiciária, Salise Sanchotene, faltam mulheres, por exemplo, entre os juízes auxiliares das corregedorias e presidências dos tribunais.  

“A ideia de realizar o evento foi reunir em oficinas as pessoas que mais sentem essa realidade na pele para elaborar, com base nos dados que foram levantados no seminário, propostas concretas que vão pautar nossa atuação do Grupo de Trabalho em 2023. Aprovamos a Carta do evento que contém desde atos normativos a atos muito concretos para tentar equilibrar esse cenário”, afirmou a conselheira Salise Sanchotene.  
A sub-representação foi demonstrada estatisticamente, ao longo do seminário, em pesquisas do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Gênero, Direitos Humanos e Acesso à Justiça do Programa de Pós-Graduação Profissional em Direito da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam). A dissertação da juíza do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul (TJMS) Mariana Yoshida revelou, a partir dos levantamentos do CNJ e de associações da magistratura, que a presença das mulheres rareia conforme mais alta a posição hierárquica na carreira. Embora representem mais da metade da população brasileira, as mulheres são hoje 45% dos magistrados em início de carreira, mas apenas 25% nos cargos do segundo grau de jurisdição.

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, participou do encerramento do evento, falando sobre o aumento “exponencial” das agressões registradas a mulheres durante a pandemia revelou como a lei não assegurou a igualdade entre homens e mulheres na prática, embora esteja prevista no primeiro artigo da Constituição Federal de 1988. “Vimos como não era suficiente. Como diz o poeta Carlos Drummond de Andrade, ‘as leis não bastam/os lírios não nascem da lei'”. Precisamos cultivar o direito para frutificar uma nova sociedade. Imaginávamos que, com a promulgação da Constituição, tínhamos resolvido a questão da igualdade e afastado a questão da desigualdade, mas não”, afirmou.  

De acordo com o conselheiro Marcio Coelho de Freitas, que presidiu o último painel do evento, promover a igualdade de gênero para alcançar uma sociedade mais plural e inclusiva gerará resultados não apenas para os segmentos excluídos, mas para toda a sociedade. “Só teremos uma sociedade democrática, eficiente quando todos tiverem vez”, afirmou. A diversidade faz parte de uma série de tratados de direitos humanos firmados pelo Brasil, e que fundamentam a Carta de Brasília, de acordo com a juíza do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), Adriana Ramos de Mello. São exemplos desses compromissos a Convenção sobre a Eliminação de todas as formas de discriminações contra as mulheres, de 1979, a Declaração de Pequim e a Plataforma para a ação das Nações Unidas, de 1995.  
 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Polícia prende três homens suspeitos de integrar milícia na zona norte do Rio

Três homens suspeitos de integrar uma milícia foram presos em flagrante em Campo Grande, zona norte do Rio de Janeiro, na manhã desta quarta-feira, 30. As prisões foram efetuadas pelos agentes da 8ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (8ª DPJM) e da Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil (CORE). Segundo informações da Secretaria de

Polícia prende grupo especializado em sequestros na Grande SP

Pelo menos quatro pessoas foram presas pela Polícia de Civil de São Paulo durante a Operação Fake Workers na terça-feira, 28. Os suspeitos são investigados de integrar um grupo especializado em sequestro na Grande São Paulo. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão e de prisão temporária expedidos pela Justiça nas cidades de Guarulhos e

Nem Gabigol, nem Cano, nem Pedro Raul, o nome da fera é Lelê

No último sábado (4/3), o Volta Redonda goleou o Madureira por 6 x 0 ,e continua embolado, no alto da tabela, junto com Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo, no pelotão de frente, neste Cariocão.E o destaque do time é o atacante Lelê, que fez...