STF dá 60 dias para Governo Federal retomar Fundo Amazônia

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

Em julgamento concluído nesta quinta-feira, 3, o Supremo Tribunal Federal (STF) mandou o Governo Federal reativar o Fundo Amazônia em até 60 dias. A determinação é uma resposta a uma ação do PSB, PSOL, PT e Rede. Os partidos alegam que houve omissão do governo de Jair Bolsonaro (PL) ao deixar de aplicar os mais de R$ 1 bilhão destinados para projetos de preservação na Amazônia Legal. A corte já havia formado maioria desde a semana passada para determinar a retomada do fundo, mas faltavam os votos da ministra Cármen Lúcia, do ministro Ricardo Lewandowski e do ministro Gilmar Mendes. Todos acompanharam a relatora Rosa Weber em favor da reativação do fundo, assim como André Mendonça, Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Dias Toffoli. Nunes Marques abriu divergência, mas não foi acompanhado por nenhum ministro. A corte considerou inconstitucionais os decretos que extinguiram os órgãos responsáveis pela gestão do fundo criado em 2008 para captar doações para projetos de preservação e fiscalização da floresta. O Fundo Amazônia está parado desde 2019, quando o governo acabou com os comitês responsáveis pela distribuição dos recursos após conflitos sobre o modelo de governança com Noruega e Alemanha. Os dois países são os principais investidores do fundo e, após a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), anunciaram que vão retomar os financiamentos.

*Com informações da repórter Nanny Cox

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Só governadores do PL foram ao ato de Bolsonaro em Copacabana

Não foi apenas o público ontem que esteve abaixo de outros atos promovidos por Jair Bolsonaro. O peso do palanque também diminuiu em Copacabana em relação às manifestações anteriores promovidas pelo ex-presidente. Ao decidir usar sua presença para promover candidaturas do PL às próximas eleições municipais, Bolsonaro não conseguiu levar ao Rio governadores que estiveram

Diálogo com o Congresso continua e ofensa vinda de Lira é ‘episódio superado’, diz Padilha

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, reiterou que o diálogo entre o Planalto e o Congresso Nacional continua e disse que a tensão entre ele e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) é um "episódio superado". Em entrevista à CNN Brasil, Padilha foi questionado sobre o atrito entre ele e Lira

Aliados de Lula minimizam ato de Bolsonaro no Rio; STF, militares e Pacheco silenciam

(FOLHAPRESS) - Aliados e ministros do governo Lula (PT) minimizaram o impacto do ato de Jair Bolsonaro (PL) em Copacabana, no Rio de Janeiro, neste domingo (21). Alvos dessa manifestação, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), optaram pelo silêncio. Integrantes do primeiro escalão do governo