Ato reúne dezenas de pessoas para protestar contra vandalismo em estátua de Mãe Stella

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Dezenas de pessoas se reuniram, na manhã desta quinta-feira (8), para se manifestar contra o ato de vandalismo e intolerância religiosa ao monumento de Mãe Stella de Oxóssi, na Avenida Paralela. Lideranças de diversas religiões foram até o local prestar solidariedade aos fiéis do candomblé e pedir justiça pelo crime.

A cantora Margareth Menezes foi uma das pessoas que participou do ato, que começou por volta das 9h. “A minha participação é como cidadã, como pessoa que respeita a todos e a todas, como artista e também como pessoa que está na equipe de transição de cultura do governo [Lula]. Eu acho que a gente precisa tomar consciência como ascendentes ou não do povo negro que respeito é um direito de todas as religiões. O que se fez com homenagem à Mãe Stella foi um crime”, disse.

Thereza Christina, que faz parte do terreio Ilê Axé Opô Afonjá, no qual Mãe Stella foi ialorixá até 2018, fez um chamamento para que pessoas de outras religiões se juntem ao movimento contra a intolerância. “A gente não pode permitir que coisas desse tipo aconteçam. Se fosse com os evangélicos, isso não teria acontecido. Nós temos que arranjar uma forma de chamar nossos irmãos para que eles estejam sempre presentes para evitar esse tipo de situação”, disse.

No final da manhã, os participantes fizeram um abraço coletivo no monumento de Oxóssi, que faz parte da obra de Tatti Moreno. A estátua de Mãe Stella, que foi incendiada, foi removida na segunda-feira (5).

Intolerância
A estátua da Mãe Stella de Oxóssi foi incendiada na madrugada de domingo (4). obra, assinada pelo artista plástico Tatti Moreno, foi inaugurada em 2019 e já sofreu duas depredações desde então. Representantes do candomblé apontam intolerância religiosa em todas as violações. Em 2019, a escultura de Mãe Stella e Oxóssi também foi alvo de vandalismo. A obra foi pichada e teve uma placa arrancada. 

Um boletim de ocorrência foi registrado pela Fundação Gregório de Mattos (FGM) na 12ª Delegacia, em Itapuã. A Polícia Civil informou que a unidade policial vai tentar identificar testemunhas que possam passar mais informações sobre a ação, bem como identificar e localizar a autoria do fato, que se enquadra em ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo.

A prefeitura de Salvador comunicou que acompanhará as investigações do caso pelas autoridades policiais e aumentou a situação. “A administração municipal lamenta profundamente mais este atentado contra o patrimônio público, em uma das últimas peças produzidas pelo artista plástico Tatti Moreno (1944-2022) para a cidade”, diz. 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Estados do Sul e Sudeste assinam pacto contra o crime organizado

Estados do Sul e do Sudeste firmaram no sábado, dia 2, um Pacto Regional de Segurança Pública para enfrentar o crime organizado. Um gabinete integrado de inteligência será criado para compartilhar informações e os policiais farão cursos conjuntos para aumentar a integração entre as forças de segurança e padronizar procedimentos e técnicas. O pacto propõe

Ministros do STF veem ilegalidade em anistia a Bolsonaro e preveem derrubada de medida

MATHEUS TEIXEIRABRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) afirmam nos bastidores que não há chance de uma possível anistia a Jair Bolsonaro (PL) ou a condenados por participação nos ataques de 8 de janeiro ter validade e ser implementada para livrar o ex-presidente e seus aliados de eventual julgamento na corte.

Barbeiro de 20 anos é condenado a 11 anos e seis meses de prisão por participar do 8 de Janeiro

O Supremo Tribunal Federal (STF) condenou nesta sexta-feira, 1º, o barbeiro piauiense João Oliveira Antunes Neto a 11 anos e seis meses de prisão por participação nos atos golpistas de 8 de Janeiro. Antunes Neto tem 20 anos, e além de barbeiro, se identifica como um "jovem cristão pregador do evangelho de Jesus Cristo". O