De vilarejo na Alemanha ao topo da Igreja Católica: Relembre a trajetória de Bento XVI

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Nascido em 1927, Joseph Ratzinger foi eleito em 2005, em um dos conclaves mais rápidos a história; sua vida foi marcada pela Segunda Guerra Mundial, quando desertou do exército alemão

Sven Hoppe / POOL / AFP

Conhecido por ser um dos poucos Papas a renunciar ao cargo máximo da Igreja Católica, Joseph Ratzinger, o Papa Bento XVI, morreu neste sábado, 31, aos 95 anos de idade. Nascido em 16 de abril de 1927, em uma pequena vila na Alemanha começou a vislumbrar sua vocação para sacerdote em 1932, quando mudou para a cidade de Aschau e começou a frequentar atos litúrgicos. Em 1939, entrou para um seminário em Traunstein para iniciar sua formação na vida eclesiástica. Com a Segunda Guerra Mundial, o local foi usado como hospital militar. Em 1943, os 16 anos, foi incorporado ao exército alemão por alistamento obrigatório e desertando das forças armadas, o que o levou a prisão, onde permaneceu até o fim do confronto.

Ao lado de seu irmão, Ratzinger entrou para um seminário católico e, em junho de 1951, foi ordenado sacerdote pelo arcebispo e Munique. Em 1952 começou sua atividade como professor na Escola Superior de Filosofia e Teologia de Frisinga. Ele passou por outras escolas até 1969, quando passou a ser catedrático de dogmática da Universidade de Ratisbona, onde chegou ao cargo de vice-reitor. E 1977, foi nomeado arcebispo de Munique pelo Papa Paulo VI, sendo elevado a Cardeal no mesmo ano. Em 1981, foi apontado como Congregação para a Doutrina da Fé, cargo que ocupou até a morte de Paulo VI. Ele participou dos conclaves que elegera João Paulo I e João Paulo II em 1978 e só veio a participar novamente da tradição em 2005, quando entrou como decano do Colégio de Cardeais para sua própria eleição.

Aos 78 anos, Ratzinger foi eleito Papa em conclave encerrado em 19 de abril com apenas quatro votações – sendo um dos mais rápidos da história. No dia 24 do mesmo ano, toou posse. Na votação final, o alemão teve 84 votos, contra 26 de Jorge Mario Bergoglio, então arcebispo de Buenos Aires. O nome Bento teria sido escolhido em homenagem a Bento XV, que ocupou o cargo entre 1914 e 1922, ficando conhecido como “Papa da Paz” por tentar negociar durante a Primeira Guerra Mundial. Durante seu período no cargo, sofreu com polêmicas, como a postura em relação a crimes sexuais contra menores nos EUA e a negação do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo no mundo.

Entretanto, sua maior polêmica veio justamente em sua renúncia, no dia 13 de fevereiro de 2013. A informação, na época, foi divulgada pelo Vaticano, que informou o início de um período de sede vacante, quando não há uma liderança. E 2012, o arcebispo italiano Luigi Betazzi já havia especulado abertamente sobre a chance de renúncia de Bento XVI. O alemão deixou o cargo em 28 de fevereiro do mesmo ano e retirou-se para o Castelo Gandolfo, seguindo posteriormente para o Convento Mater Ecclesiae, onde morreu neste sábado. Para o seu lugar, foi eleito Papa Francisco, que se tornou o primeiro sul-americano a ocupar o cargo máximo da Igreja Católica.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Zambelli é intimida pelo STF na Câmara por caso de porte ilegal de arma

O Supremo Tribunal Federal (STF) intimou a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP), dentro do plenário da Câmara nesta quarta-feira, 21, a apresentar esclarecimentos na investigação sobre porte ilegal de arma de fogo e constrangimento. Em 2022, a parlamentar empunhou uma pistola enquanto perseguia um homem às vésperas do segundo turno das eleições. Ela tem dez

Incêndio de grandes dimensões ‘engole’ edifício de 14 andares em Valência

Um incêndio de grandes dimensões atingiu na tarde desta quinta-feira (22), um edifício residencial com 14 andares no bairro de Campanar, Valência, Espanha, que foi 'engolido' por chamas e fumaça. De acordo com o El País, o incêndio consumiu o todo o edifício, localizado entre as ruas Maestro Rodrigo e Poeta Rafael Alberti, em meia

Flávio Dino toma posse como ministro do STF ao lado de Lula

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em cerimônia com a presença do presidente Lula (PT), o ex-ministro da Justiça Flávio Dino tomou posse nesta quinta-feira (22) como novo integrante do STF (Supremo Tribunal Federal), na vaga deixada pela ministra aposentada Rosa Weber. O decano da corte, Gilmar Mendes, e o último a ser empossado, Cristiano Zanin, acompanharam