Mais de 1,2 mil pessoas presas em ataques golpistas foram ouvidas em audiências de custódia

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

Até o domingo (15), o mutirão das audiências de custódia  ouviu 1.248 pessoas presas pelos atos que aconteceram no dia 8 de janeiro e das pessoas acampadas próximo ao QG do Exército Brasileiro, em Brasília. O mutirão é realizado por juízes federais do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), que já ouviram 806 pessoas, e por juízes estaduais do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, que ouviram 442 pessoas. 

A Corregedoria Nacional de Justiça acompanha o desenvolvimento da medida. O mutirão começou a ouvir os presos às 13h do dia 11 de janeiro, em atendimento à determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal  (STF) Alexandre de Moraes, relator do processo em que os envolvidos estão sendo investigados.

A Corregedoria Nacional de Justiça continua acompanhando o trabalho das audiências de custódia que serão concluídas hoje (16), e mantendo o fluxo de informações necessárias e interlocução constante com todos os envolvidos.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Bolsonaro chega acuado a ato e busca demonstrar força política contra investigações

MARIANNA HOLANDA E GABRIELA BILÓBRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Jair Bolsonaro (PL) aposta mais uma vez numa manifestação na avenida Paulista, em São Paulo, para tentar demonstrar seu capital político. Neste domingo (25), o ex-presidente tem como principal objetivo apresentar um retrato de que mantém apoio popular e, dessa forma, reagir ao avanço das investigações sobre

Influenciador português que entrevistou Bolsonaro diz ter sido detido pela PF no Brasil

O influenciador português Sérgio Tavares, que recentemente entrevistou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) em uma live em seu canal no YouTube, postou um vídeo em seu perfil no X (antigo Twitter) em que diz ter sido detido pela Polícia Federal (PF) no Aeroporto de Guarulhos (GRU) ao desembarcar no Brasil, na manhã deste domingo, 25.

Em último ato na Paulista, Bolsonaro chamou Moraes de canalha e atacou urnas e o STF

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) deve discursar na tarde deste domingo, 25, em um ato convocado após ele se tornar alvo de investigação sobre tentativa de golpe de Estado. A manifestação vai ocorrer na Avenida Paulista, em São Paulo, uma via pública conhecida como palco de atos políticos - e não será a primeira vez