Sétimo envolvido em crimes na Reserva Indígena Caramuru é preso durante operação das polícias Civil e Militar

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

Mais um nativo da Reserva Indígena Caramuru, da cidade de Pau Brasil, teve o mandado de prisão cumprido, durante a “Operação Arabutã”, na segunda-feira (16). 

A ação, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), foi realizada por equipes da 62ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM) e da 6a Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/Itabuna).

De acordo com o coordenador da 6ª Coorpin/Itabuna, delegado Evy Paternostro, o homem é acusado de tentativa de homicídio contra outro nativo da aldeia. “Essa é a sétima prisão da operação, que investiga crimes cometidos na reserva”, disse a autoridade policial. 

Na primeira fase da operação, seis indígenas foram presos, além da apreensão de armas, munições e uma balança.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

PF mira trama golpista em depoimento conjunto de Bolsonaro e outros 22

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) prestou depoimento na tarde desta quinta-feira (22) à Polícia Federal sobre os planos discutidos no fim de 2022 para um golpe de Estado contra a eleição de Lula (PT) à Presidência da República. O depoimento foi marcado para iniciar às 14h30. Ex-ministros, ex-assessores, militares e aliados

Bolsonaro pode ser preso se incitar crime durante ato no domingo na avenida Paulista

(FOLHAPRESS) - Jair Bolsonaro (PL) pode ser preso se fizer apologia ou incitação ao crime durante manifestação convocada por ele na avenida Paulista, em São Paulo, neste domingo (25), afirmam especialistas. Os profissionais, entretanto, divergem sobre se a mera convocação do ato já poderia ensejar uma prisão preventiva, uma vez que o ex-presidente é investigado

Lula escolhe novo juiz, e TRE-PR deve marcar data do julgamento de Moro

(FOLHAPRESS) - O presidente Lula (PT) escolheu o advogado José Rodrigo Sade para a cadeira de juiz do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Paraná, corte que julgará o senador Sergio Moro (União Brasil) em um processo com pedido de cassação movido pelo PT e pelo PL. A nomeação de Sade, que figurava em uma lista