TSE inclui minuta golpista achada com Torres em ação contra Bolsonaro

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Ministro Benedito Gonçalves, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), atendeu a pedido enviado pelo PDT 16/01/2023 22:11, atualizado 16/01/2023 22:19

Hugo Barreto/Metrópoles

O ministro Benedito Gonçalves, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), incluiu nesta segunda-feira (16/1) a minuta de um decreto golpista nos autos da ação que investiga a campanha de Jair Bolsonaro (PL) à reeleição.

Segundo a coluna de Malu Gaspar, em o Globo, o ministro ainda acionou Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), para compartilhar provas colhidas em inquérito que apura os atos terroristas de 8/1.

Gonçalves atendeu a dois pedidos apresentados pelo PDT, sigla que visa usar a minuta para reforçar as acusações de abuso poder político por parte de Bolsonaro.

A minuta entrará na ação movida pelo PDT que investiga o encontro do ex-chefe do Executivo federal com embaixadores no Palácio do Planalto, enquanto ainda era presidente. Na ocasião, Bolsonaro criticou e duvidou do sistema eleitoral brasileiro.

Decreto golpe Anderson Torres – 2

A minuta imputa abuso de poder, suspeição e medidas ilegais ao TSE na condução do processo eleitoral de 2022

Decreto golpe Anderson Torres – 1

Minuta de decreto apreendida pela PF na casa do ex-ministro da Justiça Anderson Torres para mudar resultado das eleições

Decreto golpe Anderson Torres – 3

O documento estava no armário do ex-ministro de Bolsonaro e foi encontrado durante busca e apreensão realizada pela Polícia Federal (PF) na terça-feira (10/1)

Gonçalves aponta que há uma “inequívoca correlação” entre as acusações feitas contra Bolsonaro durante a campanha eleitoral e a minuta.

Minuta golpistaA Polícia Federal (PF) encontrou, na busca feita na casa do ex-ministro da Justiça Anderson Torres, a minuta de um decreto para instaurar Estado de Defesa no TSE e rever o resultado da eleição presidencial, que deu a vitória a Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O texto dizia que, instalado o Estado de Defesa no TSE, seria constituída uma Comissão de Regularidade Eleitoral. O grupo seria composto por oito membros do Ministério da Defesa (inclusive a presidência), dois membros do Ministério Público Federal (MPF), dois membros da Polícia Federal com cargo de Perito Criminal Federal e um membro cada dos seguintes órgãos: Senado Federal, Câmara dos Deputados, Tribunal de Contas da União (TCU), Advocacia-Geral da União (AGU) e Controladoria-Geral da União (CGU).

Mais lidas

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Juiz arquiva investigação sobre Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições de 2012

A Justiça Federal em São Paulo decretou o arquivamento de uma investigação policial sobre o ministro da Fazenda Fernando Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições municipais de 2012 - na ocasião, o petista disputou e venceu o pleito, derrotando o tucano José Serra na corrida à Prefeitura da Capital. A decisão judicial acolhe

PF mira trama golpista em depoimento conjunto de Bolsonaro e outros 22

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) prestou depoimento na tarde desta quinta-feira (22) à Polícia Federal sobre os planos discutidos no fim de 2022 para um golpe de Estado contra a eleição de Lula (PT) à Presidência da República. O depoimento foi marcado para iniciar às 14h30. Ex-ministros, ex-assessores, militares e aliados

Bolsonaro pode ser preso se incitar crime durante ato no domingo na avenida Paulista

(FOLHAPRESS) - Jair Bolsonaro (PL) pode ser preso se fizer apologia ou incitação ao crime durante manifestação convocada por ele na avenida Paulista, em São Paulo, neste domingo (25), afirmam especialistas. Os profissionais, entretanto, divergem sobre se a mera convocação do ato já poderia ensejar uma prisão preventiva, uma vez que o ex-presidente é investigado