Do Val diz ter boa relação com irmãos Bolsonaro e quer CPI contra Lula

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Em transmissão ao vivo realizada nesta sexta-feira (3/2), o senador Marcos do Val (Podemos-ES) afirmou que recebeu apoio de Flávio e Eduardo Bolsonaro após ameaçar pedir reúncia ao cargo e divulgar informações sobre um suposto plano para gravar o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Na noite de quinta-feira (4/2), Do Val prestou depoimento na Polícia Federal (PF) para prestar esclarecimentos sobre um suposto encontro entre o ex-deputado Daniel Silveira, preso na quinta, e o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). À PF, ele culpou Daniel pelo plano contra Moraes.

Segundo Do Val, o encontro teria ocorrido em uma da residências oficiais da presidência da República. No encontro, Silveira teria sugerido que Do Val influenciasse Moraes a afirmar que agiu de forma ilegal durante as eleições de 2022. O ex-deputado também pediu que Do Val gravasse a conversa.

Ao longo da quinta-feira, o senador relatou o caso em diversas entrevistas, mas apresentou versões contraditórias do suposto ocorrido. Durante a transmissão desta sexta, Do Val criticou a imprensa por divulgar os fatos contraditórios e disse que, apesar de ameaçar renúncia, não sairá do cargo.

Do Val também afirmou que pretende pedir abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e seus ministros.

“Estou insistindo na abertura da CPI, porque na abertura da CPI eles quebram o sigilo de documentos. […] Estamos em um momento muito sensível com o atual presidente sob comando, estamos entrando em rota de colisão com ele e o ministro da Justiça. […] Eu não vou recuar, daqui pra frente vai ser a batalha cada vez maior”, afirmou.

Família BolsonaroAo citar a ameaça de renúncia, Do Val disse que recebeu apoio de Flávio e Eduardo Bolsonaro. Os irmãos teriam pedido que Do Val saísse do Podemos e se filiasse ao PL, sigla da qual Bolsonaro faz parte. O pedido também teria sido reforçado por Valdemar Costa Neto, presidente do partido.

“O PL fez o convite para que eu integrasse o partido. Eu disse ao Valdemar que muito me honra o convite, mas não é o momento. Eu prefiro estar nessa batalha sozinho para não incluir o partido como se tivesse formado um grupo contra o presidente”, disse.

Do Val continuou: “Eduardo e Flávio que me deram todo o apoio, pediram para que eu entrasse no partido. Disse que não, não vou expor. Deixa que eu continuo na linha de frente”.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Google passará a vetar anúncio político em buscas e YouTube após regra eleitoral do TSE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Google anunciou que atualizará suas políticas para deixar de permitir a veiculação de anúncios políticos no Brasil via Google Ads, o que inclui YouTube, resultados na busca e demais tipos de publicidades contratadas pela ferramenta da empresa. Em nota, a empresa diz que essa atualização "acontecerá em maio tendo

Boulos tem 35,6%; Nunes, 33,7%; Tabata, 14,7%; e Kim, 9,4% em São Paulo, diz pesquisa Atlas

O deputado federal Guilherme Boulos (PSOL) tem 35,6% das intenções de voto para a Prefeitura de São Paulo, contra 33,7% do atual prefeito, Ricardo Nunes (MDB), aponta a pesquisa Atlas/CNN Brasil divulgada nesta quarta-feira, 24. Ambos estão tecnicamente empatados dentro da margem de erro de 2,5 pontos porcentuais (p.p.). A terceira colocada é a deputada

Moraes arquiva ação de suposto asilo de Bolsonaro na Embaixada da Hungria

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes concluiu que não há evidências que comprovem que Jair Bolsonaro (PL) buscou asilo na Embaixada da Hungria, em Brasília, em fevereiro deste ano. Como revelou o The New York Times, o ex-presidente passou dois dias na missão diplomática em Brasília