Em evento conservador nos EUA, Bolsonaro diz não entender derrota

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) discursou na noite desta sexta-feira (3/2) em evento patrocinado pela extrema-direita norte-americana. Recluso nos EUA desde dezembro último, Bolsonaro discursou contra os poderes Legislativo e Judiciário brasileiros e tentou manter seu público aguerrido para um possível retorno político. O encontro, chamado “Power of the people”, foi organizado pelo grupo conservador Turning point USA.

No seu discurso, Bolsonaro argumentou que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve fracassar na área econômica, levando consigo a aprovação popular do grupo petista e, dessa forma, o futuro político dos seus adversários.

Ao elencar uma série de ações que, segundo ele, foram feita no seu governo, o ex-presidente mostrou que ainda não digeriu a derrota nas urnas. “Não consigo entender os motivos pelos quais o Brasil resolveu ir para a esquerda”, lamentou.

Bolsonaro destacou a geração de empregos no ano de 2022, que, disse, fechou com saldo positivo de 2 milhões de postos de trabalho ocupados. O ex-presidente imputa a Lula, porém, o saldo negativo de dezembro, avaliado em mais de 400 mil. No último mês do ano, no entanto, Bolsonaro ainda era presidente.

Ao público, Bolsonaro fez “previsões” negativas a respeito da política econômica de Lula. “Não vejo com bons olhos o futuro da nossa economia pelas medidas adotadas pelo novo governo. E a economia dita o futuro de um regime”, disse. Antes, ele destacou que tem 67 anos e tem histórico militar, deixando em aberto a possibilidade de disputar novamente a Presidência da República. Vale ressaltar que Bolsonaro é o único presidente brasileiro que tentou e não conseguiu se reeleger.

Veja como foi a palestra:

Dados distorcidosO ex-presidente distorceu dados sobre seu governo. Disse que o preço da gasolina, durante sua gestão, sempre esteve abaixo de um dólar. Em março de 2022, porém, o litro do combustível ultrapassou R$ 8, quando o dólar valia cerca de R$ 5.

Ele também disse ter finalizado o mandato sem casos de corrupção, ignorando as denúncias envolvendo Ricardo Salles no Ministério do Meio Ambiente, o da propina com a vacina no caso Covaxin, o gabinete paralelo com pastores no Ministério da Educação e de Caixa 2 no Alvorada.

Ataques aos demais PoderesBolsonaro também deu sequência à ofensiva aos demais Poderes, com foco no Judiciário. O Supremo Tribunal Federal (STF) e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) continuam o cerco contra bolsonaristas golpistas, a exemplo de Daniel Silveira (PTB-RJ), preso nesta semana.

“O Judiciário tem legislado no Brasil”, acusou Bolsonaro. Ele também afirma que o STF invadiu a seara do Legislativo ao tomar decisões sobre o aborto. “Esperamos que isso não aconteça. Dos on ministros, indiquei dois, obviamente com cacterísticas pró-vida”, comentou.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

8% dos eleitores de Bolsonaro e 7% dos de Lula acreditam que Terra é plana, aponta Datafolha

A Terra é plana para 8% dos eleitores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), contra 7% dos eleitores do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), segundo relatório do instituto Datafolha. A pesquisa, realizada entres os dias 8 a 11 de abril deste ano, perguntou aos brasileiros sobre o formato do planeta Terra. No resultado, foi

Google passará a vetar anúncio político em buscas e YouTube após regra eleitoral do TSE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Google anunciou que atualizará suas políticas para deixar de permitir a veiculação de anúncios políticos no Brasil via Google Ads, o que inclui YouTube, resultados na busca e demais tipos de publicidades contratadas pela ferramenta da empresa. Em nota, a empresa diz que essa atualização "acontecerá em maio tendo

Boulos tem 35,6%; Nunes, 33,7%; Tabata, 14,7%; e Kim, 9,4% em São Paulo, diz pesquisa Atlas

O deputado federal Guilherme Boulos (PSOL) tem 35,6% das intenções de voto para a Prefeitura de São Paulo, contra 33,7% do atual prefeito, Ricardo Nunes (MDB), aponta a pesquisa Atlas/CNN Brasil divulgada nesta quarta-feira, 24. Ambos estão tecnicamente empatados dentro da margem de erro de 2,5 pontos porcentuais (p.p.). A terceira colocada é a deputada