Especialistas avaliam que impacto de suspensão das exportações de carne por vaca louca será contornado

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Análises apontam que as regras atuais devem ser revistas rapidamente para que não ocorra uma paralisação nas vendas como a de 2021

Marcello Casal Jr./Agência Brasil

carnes expostas em frigorífico

China importa praticamente um terço de toda a carne bovina exportada pelo Brasil

O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, calcula que o impacto mensal do autoembargo do Brasil na venda de carne bovina para a China após confirmação de um caso de vaca louca deverá ser de, no mínimo, US$ 300 milhões. Entretanto, ele lembra que o atual governo possui um relacionamento com o governo chinês, o que pode na resolução do problema de alguma forma. “Em princípio não deve afetar o comércio do Brasil, nós não vamos cancelar as exportações, vamos apenas adiar o embarque até que seja claramente esclarecida a questão da vaca louca. Os preços no mercado internacional e também no mercado externo em janeiro e dezembro já estavam em queda, o que significa que esse atraso no embarque de mercadoria para o exterior pode fazer com que esses produtos sejam colocados no mercado interno ou mesmo para outros países”, disse Castro.

Larissa Waccholz, sócia da Valia Agro e ex-chefe do Departamento Brasil-China, ligado ao governo brasileiro, não acredita que o embargo de 2023 se assemelhe ao de 2021, quando as exportações foram suspensas em setembro e só foram retomadas em dezembro. “A China considera o Brasil um parceiro importante no fornecimento de carne bovina. A China importa praticamente um terço de toda a carne bovina exportada pelo Brasil. E o Brasil, por outro lado, representa aproximadamente 25% do fornecimento de carne bovina importada pela China. Ou seja, é uma relação bastante importante para os dois lados e, portanto, provavelmente vai haver agilidade da parte chinesa também na revisão dessa documentação, para que os fluxos sejam retomados e normalizados em um breve espaço de tempo”, diz ela. A China está entre os principais parceiros comerciais do Brasil, sendo a principal compradora de commodities e matérias-primas nacionais.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Defesa Civil abre nova turma de capacitação de voluntários em maio

Com o objetivo de formar multiplicadores em comunidades localizadas em áreas de risco, a Defesa Civil de Salvador (Codesal) capacita mensalmente 60 voluntários para disseminar as ações da instituição. As aulas da formação "Mobiliza Defesa Civil" acontecem no auditório da Codesal, na Avenida Mário Leal Ferreira (Bonocô), sempre na primeira sexta-feira do mês.   Para

Dólar à vista tem queda significativa e fecha em R$ 5,16

O dólar à vista teve uma queda significativa nesta segunda-feira (22) e fechou o dia em R$ 5,1687, com baixa de 0,59%. Na máxima, pela manhã, chegou a R$ 5,2181, mas depois se firmou em baixa ao longo da tarde. Assim, a moeda norte-americana atingiu os menores níveis em mais de uma semana. A Petrobras

Hybris II: PF deflagra mais um desbobramento da Operação El Patrón em Feira de Santana

Foi deflagrado na tarde desta segunda (22), mais um desdobramento da Operação El Patrón, a Hybris II, numa ação conjunta da Polícia Federal, Receita Federal, Ministério Público Estadual e a Força Correcional Integrada (FORCE/COGER/SSP/BA). Através de uma medida cautelar, foi determinada a alienação antecipada de 45 propriedades urbanas e rurais e 245 semoventes, em cumprimento à decisão