Caso Marielle: Turma do STJ autoriza familiares a terem acesso à investigação

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

 

Familiares da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes poderão ter acesso à investigação sobre a motivação e os autores do assassinato ocorrido há cinco anos. Isso foi o que decidiu a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) nesta terça-feira (18) ao analisar o pedido da família para ter acesso às apurações que correm sob sigilo. 

 

Com a decisão, os parentes poderão tomar conhecimento de provas já produzidas no inquérito, mas preservando dados sigilosos.

 

“O direito do acesso à vítima ao inquérito deflui do princípio republicado que trata de garantir memória e devida reparação. É um direito à verdade, à memória e à Justiça. Negar acesso da vítima é reduzi-la a uma não entidade e reforçar a violação de seus direitos”, disse o ministro Rogério Schietti, relator do caso. 

 

A Justiça do Rio de Janeiro havia negado a liberação do inquérito policial que busca a motivação e autoria imediata do crime. Na ocasião, o argumento foi de que a derrubada do sigilo oferece riscos para as investigações. O caso foi levado ao STJ.

 

Os acusados de matar Marielle e Anderson estão presos: o policial reformado Roni Lessa e o ex-policial militar Élcio Queiroz. O julgamento pelo tribunal do júri ainda não foi marcado. Outro inquérito ainda apura quem mandou matar Marielle Franco e por quê.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

No sul da Bahia, adolescente desaparece após sair da residência da namorada

Um adolescente desapareceu após deixar a residência da namorada na sexta-feira (23), no município de Coaraci, no sul da Bahia. Até o momento, não há nenhuma informação sobre o paradeiro dele. De acordo com a Polícia Civil, Flávio estava de motocicleta indo em direção a sua residência, na cidade de Itapitanga, quando não foi mais

Apartamento que pegou fogo em Campinas tinha munições e granada

São Paulo — Uma perícia realizada na manhã deste domingo (25/2) confirmou a presença de munições e de uma granada no interior de um apartamento que pegou fogo na noite de sábado (24/2), em Campinas, no interior de São Paulo. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), as munições “foram deflagradas em decorrência

Projeto apresentado por Capitão Alden busca aumentar pena para quem faz denunciação caluniosa

Já está tramitando na Câmara dos Deputados o primeiro projeto apresentado pelo deputado Capitão Alden (PL-BA) neste ano de 2024. O projeto do deputado baiano - o Pl 98/2024 - tem como objetivo alterar o Código Penal para estabelecer o aumento de pena na conduta tipificada como "Denunciação Caluniosa" que envolva ambiente familiar de coabitação.