CPI dos atos antidemocráticos ouve coronel Cíntia Queiroz nesta quinta-feira

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) em andamento na Câmara Legislativa do Distrito Federal que investiga os atos antidemocráticos terá, nesta quinta-feira (27/4), o sétimo depoimento sobre a tentativa de golpe. A coronel da Polícia Militar do DF Cíntia Queiroz será ouvida partir das 10h.

A coronel é subsecretária de Operações Integradas da Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF) e foi responsável por elaborar o Protocolo de Ações Integradas (PAI) da pasta sobre atos contra o resultado das urnas, marcados para os dias 7, 8 e 9 de janeiro. Em março, ela foi indiciada pela Corregedoria da PMDF em um dos cinco inquéritos que apuram a conduta de militares no dia 8.

Durante a CPI, o Metrópoles mostrou que protocolos de ações elaborados pela SSP antes de manifestações em Brasília apontavam um planejamento mais firme contra atos LGBTs, passeata estudantil e Marcha da Maconha do que na contenção de protestos antidemocráticos. Orientações sobre a dimensão das ameaças e a condução de possíveis presos, por exemplo, não aparecem no PAI anterior à tentativa de golpe de janeiro.

Em depoimento à Polícia Federal, que também investiga possíveis omissões ou conivência de autoridades diante dos atos antidemocráticos, Cíntia disse que a PMDF agiu de forma atípica ao não elaborar planejamento próprio para a manifestação que culminou na invasão e depredação das sedes dos Três Poderes, além do PAI da SSP, avaliando isso como algo “raro”.

A subsecretária contou à PF que cabia à Polícia Militar do DF, através de planejamento próprio, reforçar o policiamento ostensivo e empregar tropas especializadas. O Departamento de Operações seria o responsável por esse serviço.

Veja um resumo dos primeiros depoimentos da CPI:

Outros depoentes: A CPI da Câmara Legislativa ainda vai ouvir nos próximos dias suspeitos de financiar, incentivar, participar ou facilitar a tentativa de golpe. Entre os nomes já aprovados para depor, estão Gustavo Henrique Dutra de Menezes, general que chefiava o Comando Militar do Planalto (CMP) durante o 8 de janeiro, Joveci Andrade, empresário suspeito de patrocinar atos antidemocráticos, Fábio Augusto, ex-comandante-geral da PM, e José Acácio Serere Xavante, conhecido como cacique Tserere, indígena preso no dia 12 de dezembro por atos antidemocráticos, em 25/5.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Malafaia chama Moraes de ditador, pede renúncia nas Forças e diz que Pacheco é frouxo

Na manifestação em Copacabana neste domingo, 21, o pastor Silas Malafaia, um dos organizadores do ato em apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), adotou uma retórica agressiva contra autoridades da República, referindo-se ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes como um "ditador com modus operandi" e descrevendo o presidente do Senado, Rodrigo

Acusado de estuprar a enteada em Alagoas é preso em ônibus em Feira de Santana

A Polícia Civil de Alagoas, por meio das equipes do 100º e 101º DP, Pindoba/Maribondo, em ação integrada com a Polícia Rodoviária Federal e Polícia Militar da Bahia, cumpriu mandado de prisão expedido pela comarca de Maribondo em Alagoas, contra um homem de 27 anos na noite da última sexta-feira (19), pelo crime de estupro

Show de pagode em BH acaba com homem morto e sete pessoas baleadas

Um show de pagode na Academia Cultural Comunitária, em Ibirité, Belo Horizonte (MG), terminou com um homem de 27 anos morto e outras sete pessoas baleadas. Um suspeito teria entrado no local e disparado uma série de tiros. De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, divulgado pelo portal G1, a vítima foi