Moraes levou 78 dias para derrubar sigilo do 8/1 e ignorou vídeos em julgamento

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

(FOLHAPRESS) – O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), levou 78 dias para derrubar o sigilo das imagens internas de segurança do Palácio do Planalto de 8 de janeiro, quando o local foi invadido e vandalizado.

No último dia 18, ele votou para tornar réus 50 denunciados pelas depredações no Planalto, no Congresso Nacional e no Supremo. Moraes tomou a decisão sem ter assistido à íntegra das gravações que mostram os responsáveis pela invasão e depredação no Planalto -outros sete ministros acompanharam a posição do magistrado, vencedora.

O voto do ministro foi dado no inquérito que investiga 50 pessoas pertencentes ao grupo dos executores dos atos golpistas; ou seja, os atuantes na depredação do patrimônio público. Há na lista participantes da vandalização de um ou mais dos seguintes edifícios: o Supremo, o Congresso e o Planalto.

Poucos dias após a depredação em 8 de janeiro, a Câmara e o Senado divulgaram imagens dos ataques em suas instalações, somando mais de 40 minutos. Em 25 de janeiro, o STF disponibilizou as imagens do local na data dos atos.

Em relação às imagens do circuito de segurança do Planalto, Moraes obteve acesso à íntegra dos arquivos após a revelação de vídeos em que o ex-ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) Gonçalves Dias aparece no palácio no dia da invasão. Nas imagens, é possível ver agentes do GSI, subordinados a Dias, cooperando com os vândalos.

Alguns trechos dessas imagens já eram conhecidos. Uma semana após a invasão, a TV Globo divulgou vídeos de câmeras de segurança que mostram bolsonaristas quebrando itens históricos, rasgando quadros e depredando o Planalto. Nenhuma imagem de integrantes do GSI ou do governo foi veiculada na ocasião.

No dia seguinte, o governo liberou as mesmas gravações para toda a imprensa -ainda sem os registros da reação dos integrantes do GSI.

Em 12 de janeiro, a Folha solicitou, via Lei de Acesso à Informação, a íntegra das imagens internas do Planalto no dia 8 de janeiro. A resposta oficial foi dada em 1 de fevereiro.

O governo impôs sigilo e negou acesso às imagens, argumentando não ser “razoável” a divulgação, devido a informações que exporiam métodos, equipamentos, procedimentos operacionais e recursos humanos da segurança presidencial.

“Dessa forma, presente pedido de informação não pode ser atendido, haja vista que as imagens do sistema de vídeo monitoramento do Palácio do Planalto são de acesso restrito, considerando que sua divulgação indiscriminada traz prejuízos e vulnerabilidades para a atividade de segurança das instalações presidenciais”, disse na ocasião a resposta do governo.

A notícia de que a gestão Luiz Inácio Lula da Silva (PT) havia decretado sigilo dessas imagens foi publicada logo em seguida. Apenas 78 dias depois, no entanto, Moraes assinou a decisão em que determinou a retirada desse sigilo.

A decisão foi dada um dia após a CNN Brasil divulgar as imagens de Gonçalves Dias no Planalto enquanto o local era destruído por bolsonaristas.

Moraes então concluiu que o sigilo era inadmissível.

“A presente hipótese não caracteriza qualquer excepcionalidade às necessárias publicidade e transparência, não sendo possível, com base na Lei de Acesso à Informação, a manutenção da vedação de divulgação de todas –absolutamente todas– as imagens verificadas na ocasião do nefasto e criminoso atentado à democracia.”

O magistrado citou o princípio constitucional da publicidade e disse que o Estado “tem o dever de absoluta transparência na condução dos negócios públicos, sob pena de desrespeito” à Constituição. Também determinou o envio dos arquivos ao STF em 48 horas.

O ministro afirmou ter, ainda, determinado o envio dos vídeos para os autos do processo no dia 8 de janeiro –que ficaram sob guarda da Polícia Federal nesse período.

Na decisão daquela data, ele mandou a PF obter “todas as imagens das câmeras do Distrito Federal que possam auxiliar no reconhecimento facial dos terroristas que praticaram os atos”, sem mencionar especificamente as imagens internas do Planalto.

Já no voto para tornar réus os primeiros investigados de serem executores dos atos, o ministro não descreveu de maneira individualizada a conduta de cada denunciado. Tampouco citou as imagens ou os itens dos prédios públicos que cada um depredou.

O magistrado defendeu que não deveria prosperar a tese dos advogados dos investigados de que, na denúncia da PGR (Procuradoria-Geral da República), “há nítida generalização, sem qualquer particularização” das ações de cada um.

Segundo Moraes, no caso foram cometidos os chamados delitos multitudinários.

“Há, portanto, como bem sustentado pela PGR, a ocorrência dos denominados delitos multitudinários, ou seja, aqueles praticados por um grande número de pessoas, onde o vínculo intersubjetivo é amplificado significativamente, pois ‘um agente exerce influência sobre o outro, a ponto de motivar ações por imitação ou sugestão, o que é suficiente para a existência do vínculo subjetivo, ainda que eles não se conheçam’.”

Leia Também: Supremo retoma julgamento sobre correção do FGTS pela TR

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

8% dos eleitores de Bolsonaro e 7% dos de Lula acreditam que Terra é plana, aponta Datafolha

A Terra é plana para 8% dos eleitores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), contra 7% dos eleitores do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), segundo relatório do instituto Datafolha. A pesquisa, realizada entres os dias 8 a 11 de abril deste ano, perguntou aos brasileiros sobre o formato do planeta Terra. No resultado, foi

Acidente no set de filme com Eddie Murphy deixa vários feridos

Estúdio ainda está no processo de coletar informações sobre o que aconteceu e por quê Michael Tran / AFP Ator norte-americano Eddie Murphy chega para a estreia de "Candy Cane Lane" no Regency Village Theatre em Los Angeles, Califórnia Um acidente no set de filmagem de um novo filme de Eddie Murphy, deixou várias pessoas

Google passará a vetar anúncio político em buscas e YouTube após regra eleitoral do TSE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Google anunciou que atualizará suas políticas para deixar de permitir a veiculação de anúncios políticos no Brasil via Google Ads, o que inclui YouTube, resultados na busca e demais tipos de publicidades contratadas pela ferramenta da empresa. Em nota, a empresa diz que essa atualização "acontecerá em maio tendo