Pacheco diz que CPMI não vai prejudicar ‘agendas do Brasil’

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 3 minutos
Brasília – O presidente do Senado e do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), leu, ontem, o requerimento de abertura da comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) que vai investigar a atos golpistas do 8 de janeiro.
 
Agora, líderes de partidos e blocos partidários devem indicar os membros da comissão, que deve começar a ocorrer na próxima semana. Em entrevista coletiva após a sessão conjunta do Congresso, Pacheco afirmou que a CPMI é relevante, mas disse que o seu foco na presidência do Legislativo é atuar pela “agendas do Brasil”.
 
“Nossa preocupação é com a pauta e agenda do país, não que a CPMI não seja importante, que cumpra seu papel, mas meu foco como presidente do Senado e do Congresso é na aprovação das medidas legislativas que possam permitir o crescimento do Brasil”, disse Pacheco que ainda citou pautas importantes que tramitam no Congresso.
“Temos um desafio que é a votação do arcabouço fiscal, o desafio da reforma tributária, das medidas provisórias que serão entregues e apreciadas pelo Congresso Nacional. São essas agendas do Brasil. Nós temos que apartar da agenda de polêmica que é própria da política, mas a agenda que nos une que é estabelecer um marco fiscal de ter uma reforma tributária de ter projetos que permitam o crescimento do país”, afirmou também.
“Amanhã vamos receber o ministro da Fazenda (Fernando Haddad), a ministra do Planejamento (Simone Tebet) e o presidente do Banco Central (Campos Neto) para realizarmos no Senado uma sessão de debates para discutir juros e inflação no nosso país e possibilidade de crescimento do Brasil”, acrescentou Pacheco.
 
Leia também: Saiba como será a composição da CPMI dos Atos Antidemocráticos
Sobre a CPMI, Pacheco afirmou que não há definição sobre com qual Casa legislativa ficará a relatoria ou presidência do colegiado. Segundo ele, a definição será feita após a indicação dos integrantes da comissão. “É uma definição que não existe ainda. Tem que ter a indicação dos membros pelos líderes e a eleição do presidente é do colegiado, de modo que não há essa definição de presidente e relatoria de qual casa será e qual será o perfil. Esse é um trabalho da própria CPMI e seus membros e não cabe a mim como presidente do Congresso interferir”, afirmou.
Pacheco disse esperar que na semana que vem a comissão já esteja instalada e reforçou o pedido para os líderes fazerem suas indicações através da proporcionalidade de blocos e partidos. O presidente ainda comentou sobre uma questão de ordem feita pelo líder da oposição, o senador Rogério Marinho (PL-RN), e afirmou que irá respondê-la ainda nesta semana. A queixa de Marinho se refere a uma mudança de bloco do líder do governo no Congresso, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), na noite de terça-feira.
 
 
Leia também: CPMI do 8/1: Governistas querem convocar Anderson Torres, diz Senador
 
Ele saiu do Bloco Democracia, encabeçado por MDB e União Brasil, e foi para o Bloco Resistência, comandado por PSD e PT. Com a alteração, dentro da regra de proporcionalidade, o bloco do PT poderá indicar seis senadores à CPMI, retirando uma das vagas do bloco Vanguarda, de PL e Novo, que agora, só indicará dois parlamentares.
Segundo o requerimento do autor André Fernandes, a CPMI será composta por 32 parlamentares, 16 senadores e 16 deputados. Desse contingente, 30 integrantes serão indicados pela proporcionalidade. Duas vagas — uma para cada Casa — serão preenchidas por rodízio de integrantes da minoria. No Senado houve um acordo para a vaga ficar com o bloco de PP e Republicanos e na Câmara ficará ela ficará com o Novo. Após articulação na Câmara, e principalmente no Senado, o governo conseguirá obter maioria dentro da comissão. A formação de blocos suprapartidários beneficiou a base de Lula para conseguir preencher a CPMI com aliados.
 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Padilha diz que governo trabalha para liberar parte dos R$ 5,6 bi em emendas vetados por Lula

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Responsável pela articulação política do governo, o ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha (PT), afirmou nesta segunda-feira (22) que trabalha em uma proposta para liberar parte dos R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão vetados pelo presidente Lula (PT). "Estamos construindo uma proposta de poder ajustar, até a sessão

Lula diz que é preciso criar um telefone para as pessoas reclamarem do governo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta segunda-feira, 22, que o governo precisa criar um telefone para que as pessoas possam "se queixar se as coisas não estão acontecendo". A declaração ocorreu no lançamento do programa Acredita, um pacote de medidas que prevê crédito e renegociação de dívidas para os pequenos negócios

É muito importante que Congresso aprove lei das fake news e lei que regula IA, diz Lewandowski

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, defendeu a aprovação do projeto de lei das fake news, que regula a atuação das plataformas digitais no País, e o da regulamentação da Inteligência Artificial. "A mim me parece muito importante que Congresso aprove lei das fake news e a lei que regula Inteligência Artificial