Família de criança com câncer luta na Justiça para Saúde do DF comprar medicamento milionário

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

A família de uma criança de apenas 3 anos, que luta contra um câncer, briga na Justiça para que a menina tenha acesso gratuito a um medicamento de alto custo. O tratamento com o remédio chamado Qarziba pode custar mais de 2 milhões por ano. A medicação aumenta a chance de sobrevivência de que sofrem com a doença. De acordo com os familiares da pequena Laís Alves de Andrade, a Defensoria Pública da União (DPU) aprovou a compra do remédio e solicitou que a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) adquirisse a substância, mas a pasta teria se recusado a concluir o procedimento.

Laís Alves foi diagnosticada em julho de 2022 com neuroblastoma, um câncer infantil que surge nas glândulas adrenais e atinge diversas partes do corpo. Desde então, cada dia é uma nova batalha pela vida. No fim de julho, a pequena começou a passar por quimioterapia, e apesar de ser um procedimento extremamente invasivo, os resultados foram imediatos.

Em outubro de 2022, após o fim do quinto ciclo do tratamento, Laís precisava realizar o tratamento com o Qarziba, que encerra o ciclo, mas até hoje não conseguiu. O custo da medicação é alto e, por essa razão, a família da criança fez o pedido ao Sistema Único de Saúde (SUS). 

Os parentes também procuraram soluções alternativas e fizeram uma vaquinha para a arrecadação de fundos, mas não conseguiram obter o valor necessário. 

Após 7 meses de espera, a Defensoria Pública da União autorizou a compra pelo SUS, mas outro empecilho surgiu. “A Laís precisa iniciar o tratamento com a medicação até o dia 23 de julho e nós já conseguimos autorização da Defensoria Pública, mas a Secretaria de Saúde está se recusando a realizar a compra”, conta Anita Alves, tia da criança. 

O tempo está passando e, mesmo com a melhora de Laís, a luta para completar o ciclo do tratamento continua, de acordo com Anita. “Nós lutamos e continuamos lutando contra o tempo. A Laís é como uma filha para mim, e temos fé que vamos conseguir, não podemos correr o risco do câncer voltar”.

Anita conta que, mesmo vivendo um drama, Laís não perde a alegria de viver. “Mesmo depois de tudo que ela passou, ela continua sendo uma criança super alegre”, relata. “Ela quer ser médica e, quando vai ao hospital, sempre anima as outras crianças que também estão doentes, falando que vai ficar tudo bem. Ela tem um coração imenso”, complementa.

Para ajudar no tratamento da Laís, clique neste link.

Até a última atualização deste texto a Secretaria de Saúde não havia respondido aos questionamentos. O espaço permanece aberto para eventuais manifestações.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

No sul da Bahia, adolescente desaparece após sair da residência da namorada

Um adolescente desapareceu após deixar a residência da namorada na sexta-feira (23), no município de Coaraci, no sul da Bahia. Até o momento, não há nenhuma informação sobre o paradeiro dele. De acordo com a Polícia Civil, Flávio estava de motocicleta indo em direção a sua residência, na cidade de Itapitanga, quando não foi mais

Apartamento que pegou fogo em Campinas tinha munições e granada

São Paulo — Uma perícia realizada na manhã deste domingo (25/2) confirmou a presença de munições e de uma granada no interior de um apartamento que pegou fogo na noite de sábado (24/2), em Campinas, no interior de São Paulo. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), as munições “foram deflagradas em decorrência

Projeto apresentado por Capitão Alden busca aumentar pena para quem faz denunciação caluniosa

Já está tramitando na Câmara dos Deputados o primeiro projeto apresentado pelo deputado Capitão Alden (PL-BA) neste ano de 2024. O projeto do deputado baiano - o Pl 98/2024 - tem como objetivo alterar o Código Penal para estabelecer o aumento de pena na conduta tipificada como "Denunciação Caluniosa" que envolva ambiente familiar de coabitação.