Golpe do Pix: Marcelo Castro é indiciado por estelionato e lavagem de dinheiro

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Os jornalistas Marcelo Castro e Jamerson Nascimento, além de uma terceira pessoa não revelada, foram indiciados pela Polícia Civil por suposta participação no esquema conhecido como “Golpe do Pix da Record”. O trio responderá por estelionato, lavagem de dinheiro e associação criminosa. As informações foram divulgadas nesta terça-feira (20). No total, 14 pessoas estão sendo investigadas, e já foram identificadas 14 vítimas. Em entrevista coletiva na sede da Polícia Civil, o titular da Delegacia de Repressão a Crimes de Estelionato por Meio Eletrônico (DreofCiber), Charles Leão, responsável pelo caso, não divulgou oficialmente o nome dos suspeitos, mas deu detalhes da investigação. “Até o presente momento, todas as alegações trazidas pelos investigados não foram alicerçadas por qualquer documento. Isso me dá uma convicção para acreditar nas vítimas, que são pais, mães e pessoas com doenças”, revelou o delegado. As prisões ainda não foram solicitadas, pois o inquérito não está concluído, os investigadores estão apurando a participação das pessoas que cederam as contas que foram usadas no golpe. São 14 suspeitos. O conteúdo da investigação deve ser encaminhado em breve para o Ministério Público. Até o momento, 61 pessoas foram ouvidas pela Polícia Civil. Ao menos 14 pessoas foram vítimas do esquema que começou em novembro de 2022. O delegado não soube precisar a quantidade de páginas do inquérito, mas o volume tem mais de um palmo de altura. “A nossa investigação sempre foi pautada pela transparência. Pelo livre acesso a todos os advogados. Os defensores dos investigados já tiveram acesso ao conteúdo da investigação por mais de 10 vezes”, ressaltou o delegado. No dia 3 de maio, o próprio Marcelo Castro foi até a Delegacia de Repressão aos Crimes de Estelionato por Meio Eletrônico (DreofCiber) acompanhado do advogado Marcos Rodrigues. Ainda não se sabe o valor total desviado. No entanto, no caso da doação feita pelo jogador Anderson Talisca, apenas R$ 40 mil dos R$ 109 mil doados foram repassados a mãe de um menino que estava doente. Marcelo Castro e Jamerson Nascimento trabalhavam no programa Balanço Geral Bahia, da Record/ TV Itapoan, como repórter e diretor, respectivamente. O terceiro indiciado é um amigo deles que, segundo a polícia, era o responsável por conseguir as chaves PIX usadas no golpe. O delegado afirmou que o homem tinha cerca de 50 chaves desse tipo. O repórter Marcelo Castro, um dos investigados pela Polícia Civil no ‘Golpe do Pix da Record’, afirmou que os R$ 70 mil enviados pelo jogador de futebol Talisca para a mãe da criança que estava doente caíram na conta da mulher. “O advogado de Talisca me ligou e perguntou onde eu botaria o dinheiro. Os 70 mil que ele botou caiu em 5 minutos na conta da mulher. A criança, no dia seguinte, morreu porque a médica do hospital não quis aplicar a injeção, parece”, afirmou o jornalista em entrevista ao canal Sem Censura TV. A entrevista foi ao ar na noite de 10 de maio. Questionado sobre a viagem que fazia a Dubai quando o caso veio a público, Marcelo Castro disse que ainda está pagando a passagem, que “dividiu em 10 vezes”. “A viagem estava programada com minha família para visitar meu irmão, que mora lá. Depois, minha noiva entrou na minha vida e comprou também a passagem. De repente lá recebi a mensagem que me acusaram de aplicar um golpe. A empresa falou ‘Quando você voltar de férias a gente conversa’ e já fui procurar meus advogados”. 11 de março de 2023 – O esquema é descoberto depois que o ex-jogador do Bahia, Anderson Talisca, procurou a família de uma garotinha para quem tinha doado, via PIX fornecido pela TV, R$ 70 mil para um tratamento de câncer. Os pais da menina disseram ao jogador que não recebeu nenhum recurso, e que a filha havia morrido. Nota – Nesse mesmo dia, o diretor de jornalismo da Record TV/Itapoan, Gustavo Orlandi, enviou uma nota ao CORREIO, confirmando que a empresa estava apurando as suspeitas de desvio de dinheiro doado através do PIX; 13 de março – O CORREIO tem acesso ao áudio de um funcionário da emissora, que preferiu não se identificar. Ele confirmou a situação, apontou que o desvio do PIX das doações não era algo novo e que os valores do golpe poderiam ser ainda maiores. Nesse mesmo dia, a Polícia informou que abriu uma investigação sobre o caso; 14 de março – Pessoas que tiveram a situação exposta na TV e não receberam ajuda apelam para que seja feita justiça. O Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba) se pronuncia e pede rigor nas investigações; 17 de março – O apresentador José Eduardo (Bocão) conta em um podcast que ficou sabendo do golpe quando foi procurado pelo empresário do jogador, que pensou “não é possível, não são essas pessoas”, mas que levou a denúncia até a direção da emissora, e que a Record/Itapoan abriu uma investigação interna para apurar o caso. 31 de março – A emissora demite, por justa causa, o apresentador e repórter Marcelo Castro e o editor-chefe do Balanço Geral, Jamerson Oliveira. A Defesa dos jornalistas classificou a medida como desproporcional, e diz que as demissões foram precipitadas, sem a devida apuração e sem ouvi-los. Zé Eduardo liga o nome dos dois ao caso pela primeira vez e afirma que eles estão sendo investigados pela Polícia Civil. 12 de abril – A polícia reúne a imprensa para informar que 15 pessoas estão sendo investigadas, incluindo dois rifeiros. O delegado explicou que os envolvidos são dois jornalistas e pessoas que orbitam ao redor deles, cedendo o PIX que era colocado em tela no lugar dos dados das vítimas. Os nomes não foram divulgados. 18 de maio – Os jornalistas Marcelo Castro e Jamerson Oliveira são ouvidos na Delegacia de Repressão aos Crimes de Estelionato por Meio Eletrônico, na Mouraria; 19 de maio – A polícia divulga o conteúdo dos depoimentos dos jornalistas Marcelo Castro e Jamerson Oliveira. Ambos informam que houve movimentação financeira entre eles em razão de um empréstimo em dinheiro vivo de dezenas de milhares de reais a um amigo de infância. O amigo é um dos titulares de chaves PIX utilizadas na fraude; O caso veio à tona após a equipe do jogador de futebol baiano, Anderson Souza Conceição, mais conhecido como Anderson Talisca – que atualmente joga pelo Al-Nassr – cobrar informações sobre uma doação que teria sido feita por ele. Sensibilizado com a história de uma criança, o atleta teria doado cerca de R$ 70 mil. Em nota enviada ao CORREIO no dia 11 de março, o diretor de jornalismo da TV Itapoan, Gustavo Orlandi, confirmou que a empresa investigava a denúncia de que funcionários da organização teriam desviado dinheiro de doações feitas por telespectadores através de pix. “A RecordTV Itapoan, assim que recebeu as denúncias, apura os fatos e tomará todas as medidas legais cabíveis para o caso”, disse, por email. O esquema funcionava através do programa Balanço Geral. Pessoas em dificuldade relatavam seus casos na atração televisiva, comovendo o público, que fazia doações via Pix. Depois da descoberta, o caso então passou a ser investigado pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Estelionato por Meio Eletrônico (DreofCiber), que também está analisando depoimentos, matérias jornalísticas, vídeos e prints de redes sociais. Marcelo Castro se pronuncia publicamente O repórter Marcelo Castro, um dos investigados pela Polícia Civil no ‘Golpe do Pix da Record’, afirmou que os R$ 70 mil enviados pelo jogador de futebol Talisca para a mãe da criança que estava doente caíram na conta da mulher. “O advogado de Talisca me ligou e perguntou onde eu botaria o dinheiro. Os 70 mil que ele botou caiu em 5 minutos na conta da mulher. A criança, no dia seguinte, morreu porque a médica do hospital não quis aplicar a injeção, parece”, afirmou o jornalista em entrevista ao canal Sem Censura TV. A entrevista foi ao ar na noite do último dia 10. Questionado sobre a viagem que fazia a Dubai quando o caso veio a público, Marcelo Castro disse que ainda está pagando a passagem, que “dividiu em 10 vezes”. “A viagem estava programada com minha família para visitar meu irmão, que mora lá. Depois, minha noiva entrou na minha vida e comprou também a passagem. De repente lá recebi a mensagem que me acusaram de aplicar um golpe. A empresa falou ‘Quando vc voltar de férias a gente conversa’ e já fui procurar meus advogados”.
image

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Tiago Nunes é demitido do Botafogo após levar empate de time boliviano nos acréscimos

O Botafogo anunciou nesta quinta-feira a demissão do técnico Tiago Nunes, um dia após o empate por 1 a 1 contra o Aurora na fase preliminar da Copa Libertadores. A decisão veio após uma reunião da diretoria, que também oficializou a venda do atacante Victor Sá para o Krasnodar, da Rússia, o que gerou descontentamento

Lula nomeia juiz no Paraná e tribunal marca data para julgamento que pode cassar mandato de Sérgio Moro

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), desembargador Sigurd Roberto Bengtsson, marcou para o dia 6 de março a posse do novo desembargador eleitoral José Rodrigo Sade como membro efetivo da Corte na classe de jurista. Sade teve seu nome oficializado como integrante do TRE do paraná em publicação no Diário Oficial da

São Paulo continuará pagando R$ 400 mil por mês a Daniel Alves mesmo após condenação; entenda

O jogador Daniel Alves, que recebeu a sentença de quatro anos e seis meses de prisão em regime fechado por agressão sexual na Espanha nesta quinta-feira, 22, deve continuar recebendo R$ 400 mil por mês do São Paulo Futebol Clube mesmo após a condenação. O jogador teve uma passagem pelo clube entre 2019 e 2021