Três Varas do Trabalho na Bahia têm troca de titularidade

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

A Corregedoria Regional do Tribunal Regional do Trabalho da Bahia (TRT-BA) autorizou a troca de titularidade de três Varas no estado. As mudanças valerão a partir do dia 26 de junho, como confirmam atos publicados no Diário Eletrônico desta terça-feira (20). 

 

A pedido, a juíza Carla Mascarenhas de Oliveira foi removida da titularidade 5ª Vara do Trabalho de Feira de Santana para a titularidade da 14ª Vara do Trabalho de Salvador, devido a promoção de Najla Rosentina Meijon Jorge. 

 

A juíza Najla passa a ocupar a titularidade da 27ª Vara do Trabalho de Salvador, por conta da promoção de Marco Antônio de Carvalho Valverde Filho.

 

Também atendendo a pedido, a juíza Manuela Hermes de Lima deixará a Vara do Trabalho de Euclides da Cunha para assumir a titularidade da 5ª Vara do Trabalho de Feira de Santana.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Justiça manda transferir autor da facada em Bolsonaro para tratamento em MG

  A Justiça Federal determinou nesta quarta-feira (21) a transferência de Adélio Bispo de Oliveira, autor do atentado a faca contra Jair Bolsonaro em 2018, para tratamento em Minas Gerais, seu estado natal. Ele está preso há seis anos na Penitenciária Federal de Campo Grande (MS).    Em nota, a DPU  informou que a Justiça

Flávio Dino empossado como novo ministro do Supremo Tribunal Federal

O Supremo Tribunal Federal, a partir desta quinta-feira (22), volta a trabalhar com a sua composição completa. Foi empossado como o mais novo ministro da Corte o ex-ministro da Justiça, ex-governador do Maranhão, ex-deputado e ex-senador Flávio Dino.    Indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e aprovado pelo Senado, Flavio Dino é o

Piano ao cair da tarde: “soco no coração” teria matado Alexei Navalny

A mãe de Alexei Navalny, o principal oposicionista ao tirano  Vladimir Putin, afirmou hoje que está sendo “chantageada” por autoridades russas.  Segundo Lyudimila Navalnaya, essas autoridades lhe disseram que Navalny, preso político condenado à prisão na Sibéria, morreu de causas naturais, uma evidente mentira — e acrescentaram que só liberariam o corpo se a família