Petrobras reconhece defasagem no preço de combustíveis e culpa cenário econômico incerto

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos


mg 1446 0

Nesta segunda-feira, 31, a Petrobras emitiu um comunicado ao mercado se posicionando sobre a elevação da defasagem dos preços dos combustíveis. Segundo a companha, o alto nível de incerteza em relação à recuperação da economia global tem elevado a demanda por energia, o que gerou um aumento generalizado dos preços de referência e da volatilidade. Mais cedo no mesmo dia, o petróleo Brent chegou ao valor de US$ 85 por barril. Nos últimos meses, países-membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), liderados pela Arábia Saudita, tem realizado corte na produção de petróleo para impulsionar os preços da commoditie, que foram prejudicados pela incerteza em relação à economia global. Neste ano, a Petrobras abandonou a política de preços de paridade de importação, o que fez com que a venda do combustível brasileiro fosse cotado abaixo da referência. Em seu posicionamento, a petroleira afirmou que “tem observado com atenção os desdobramentos do mercado internacional de petróleo e seu impacto sobre o mercado brasileiro”, mas não indicou que fará ajustes na precificação.

“A companhia reitera que ajustes de preços de produtos são realizados no curso normal de seus negócios, em razão do contínuo monitoramento dos mercados, o que compreende, dentre outros procedimentos, análise de preços competitivos por polo de venda, em equilíbrio com os mercados nacional e internacional, levando em consideração a melhor alternativa acessível aos clientes. Conforme divulgado em 16 de maio de 2023, a Estratégia Comercial de diesel e gasolina permite à Petrobras competir de forma mais eficiente, levando em consideração a sua participação no mercado, para otimização dos seus ativos de refino, e a rentabilidade de maneira sustentável. Os reajustes continuam sendo feitos sem periodicidade definida, evitando o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio”, defendeu a empresa.

O comunicado reitera que reajustes continuam sendo feitos sem periodicidade definida, evitando o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio. “Destaca-se que o momento é de grande incerteza quanto à recuperação da economia global, o que influencia diretamente a demanda por energia, e quanto à oferta de petróleo e de combustíveis, de uma maneira geral. Essa combinação, no curtíssimo prazo, levou a uma elevação dos preços de referência e da volatilidade. Ao mesmo tempo, observa-se um aumento do fluxo de combustíveis oriundos da Rússia para o Brasil. Nesse contexto, a Petrobras tem observado com atenção os desdobramentos dos fundamentos do mercado global, assim como seu impacto no Brasil. Eventuais reajustes, quando necessários, serão realizados suportados por análises técnicas e independentes”, afirmou a estatal.

 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Antes de Aymeê, Fernanda Brum gravou música progressista e ninguem criticou

O ano era 2010, quando Fernanda Brum lançou o álbum Gloria, e em uma de suas faixas surpreendeu o Brasil com a música Pavão Pavãozinho. A música composta pelo talentoso pastor Livingston Farias, protesta contra o abandono e a miséria do Brasil, sobretudo nas chamadas comunidades do Rio de Janeiro, como o conjunto de favelas

Mercado eleva projeção do PIB e mantém previsão de déficit primário em 2024

O Banco Central divulgou nesta quinta-feira o Relatório Focus, que traz previsões econômicas atualizadas. Para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2024, a projeção subiu de 1,60% para 1,68%, enquanto a previsão para o final de 2024 aumentou de 1,61% para 1,70%, considerando apenas as respostas dos últimos cinco dias úteis. Em relação

Daniel Mastral revela quem é o anticristo e explica como ele vai “salvar” o mundo

Daniel Mastral, conhecido por suas obras sobre espiritualidade e teorias espiritualistas, recentemente participou de uma entrevista para o canal “Na Real”, de Bruno Di Simone no YouTube. Durante a conversa, cujo acesso exclusivo foi concedido à coluna de Fábia Oliveira, Mastral fez uma declaração polêmica, afirmando que Donald Trump seria o Anticristo e que seria