Investigada por agressões a babás, empresária é denunciada mais uma vez: “Não tinha o direito de me bater”

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

A empresária Melina Esteves França, investigada por agredir a babá Raiane Ribeiro em 2021, foi denunciada novamente. Desta vez ela é acusada de agredir uma outra funcionária, identificada como Aline Rodrigues de Brito, 28 anos.

 

VÍDEO: Investigada por agressões a babás, empresária é denunciada mais uma vez: “Não tinha o direito de me bater”

Crédito: Reprodução / TV Bahia

Saiba mais em https://t.co/RslxNpRhE5 pic.twitter.com/Ss03Y2HHTo
— Bahia Notícias (@BahiaNoticias) September 2, 2023

 

De acordo com o g1, o caso aconteceu nesta sexta-feira (1º), em um prédio no bairro de Stella Maris, em Salvador. A Polícia Civil diz que a funcionária foi agredida pela patroa e teve o celular quebrado.

 

Aline Rodrigues é da cidade de Nazaré, no recôncavo, e chegou em Salvador há cerca de 16 dias. A jovem foi chamada para trabalhar como babá das filhas de Melina após um amigo, que é feirante, indicá-la para a vaga. Aline e o feirante afirmaram que não sabiam do histórico de agressões da empresária.

 

A babá alega que a confusão ocorreu porque ela se recusou a ir ao bar pegar uma das crianças que a empresária havia levado com ela. Ainda segundo a vítima, a empresária reclamou e afirmou que esse era o trabalho de Aline. Como a babá não foi ao estabelecimento, Melina levou a filha para casa.

 

“Ela veio até em casa, me deu a menina, mandou eu levar a menina para a cama”, disse. “Eu peguei a menina [no colo], carreguei, subi a escada, botei a menina na cama e ela [Melina] foi atrás de mim. Quando eu desci, ela me empurrou da escada”, afirmou.

 

A babá acionou a polícia, mas quando a equipe chegou no local, a empresária já havia saído do imóvel sem levar as filhas. Aline disse que ficou no imóvel com os policiais até o momento em que uma amiga de Melina chegou na casa para ficar com as crianças.

 

Segundo Aline, a empresária teria impedido que ela saísse da casa durante o ocorrido, mas ela conseguiu deixar o imóvel e ir para a portaria do condomínio. Um trecho da discussão foi gravado em vídeo pela babá. No vídeo, a babá dizia que Melina iria pagá-la pelos dias trabalhados, momento em que a empresária seguiu em direção ao interfone para chamar o porteiro.

 

“Eu chamei a polícia, ela [Melina] veio, mandou mensagem para mim mandando eu enviar meu pix, que ia mandar dinheiro para eu ir embora e mandou eu deixar a polícia para lá, mas eu disse que não, que eu ia chamar a polícia, porque é um direito meu e ela não tinha esse direito de me bater”, relatou à TV Bahia.

 

A babá ficou na portaria até a chegada da polícia. Já Melina, como relatou Aline, “pegou o carro e foi embora” quando viu a polícia.

 

O caso é investigado pela 12ª Delegacia Territorial de Itapuã e a autora será intimada na unidade.

 

À reportagem da TV Bahia, Melina confirmou que houve uma discussão com a babá, mas negou qualquer agressão física, e que iria se posicionar na próxima segunda-feira (4), através de um advogado.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Apartamento que pegou fogo em Campinas tinha munições e granada

São Paulo — Uma perícia realizada na manhã deste domingo (25/2) confirmou a presença de munições e de uma granada no interior de um apartamento que pegou fogo na noite de sábado (24/2), em Campinas, no interior de São Paulo. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), as munições “foram deflagradas em decorrência

Projeto apresentado por Capitão Alden busca aumentar pena para quem faz denunciação caluniosa

Já está tramitando na Câmara dos Deputados o primeiro projeto apresentado pelo deputado Capitão Alden (PL-BA) neste ano de 2024. O projeto do deputado baiano - o Pl 98/2024 - tem como objetivo alterar o Código Penal para estabelecer o aumento de pena na conduta tipificada como "Denunciação Caluniosa" que envolva ambiente familiar de coabitação.

Ato bolsonarista reuniu 750 mil na Avenida Paulista, diz PM

São Paulo — De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), 750 mil pessoas, no total, participaram do ato convocado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para  este domingo (25/2) na Avenida Paulista, em São Paulo (SP). Nas estimativas do órgão, o número leva em conta o público reunido na avenida, de 600 mil, e