KPE Engenharia, antiga OAS, pede recuperação judicial; valor da causa da petição cerca de R$ 6 bi

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

A KPE Engenharia entrou com um pedido de recuperação judicial nesta terça-feira (17), na 2ª Vara da Comarca de Salvador, na Bahia. De acordo com informações obtidas pelo BP Money, o valor da causa da petição foi de pouco mais de R$ 6 bilhões.

 

Em documento, obtido pelo BP Money, indica que as empresas como OAS, E2 Arenas, G.O Participações, Megha Infraestrutura, Alpha 3 Participações e OAS Investimentos também fizeram parte da solicitação de recuperação judicial da KPE.

 

O grupo alega que os negócios foram afetados drasticamente pela pandemia de Covid-19, já que a crise sanitária “reduziu de forma expressiva a disponibilidade de recursos do Poder Público para investimento no setor de construção civil”.

 

Outro fator que segundo o conjunto de empresas teria colaborado para o aprofundamento do problema, foi o brusco aumento nos custos dos insumos e das matérias?primas no setor de construção.

 

“Os orçamentos das obras das Requerentes, apresentado no início dos respectivos processos licitatórios, não se mostraram mais viáveis. Assim, sem uma renegociação com o Poder Público, todas as obras tornar?se?iam deficitárias”.

 

No documento, a companhia diz que a recuperação judicial viabilizará “a continuidade das atividades das Requerentes, garantindo que um grande grupo empresarial brasileiro possa seguir com suas operações, preservando?se, direta ou indiretamente, cerca de 6.300 empregos, diretos e indiretos, a criação de tecnologia e os interesses de todos osseusstakeholders, incluindo credores, fornecedores, clientes, parceiros comerciais e comunidades impactadas por suas atividades”.

 

O pedido será analisado pela 2ª Vara Empresarial de Salvador.

 

A KPE Engenharia está imersa em uma série de embargos que envolvem demissão em massa, altas dívidas e processos trabalhistas. A companhia desapareceu do radar e deixou de responder os questionamentos dos funcionários demitidos, bem como apurou o BP Money na época, também com exclusividade.

 

Em maio, a Coesa realizou a compra da KPE Engenharia, antiga OAS. O detalhe é que a nova dona também já fez parte da antiga empreiteira. 
No mês seguinte, o Tribunal de Justiça de São Paulo determinou a falência da construtora Coesa, antiga OAS. As dívidas da companhia que estava em recuperação judicial somam R$ 4,49 bilhões.

 

De acordo com o jornal “O Globo”, a Justiça acatou os argumentos dos credores de que as movimentações societárias promovidas pela OAS, e que resultaram na recuperação judicial da Coesa, foram “fraudulentas”.

 

A Coesa é fruto de uma reestruturação societária da OAS, construtora que entrou em recuperação judicial após o seu envolvimento nos escândalos de corrupção revelados pela operação Lava Jato.

 

Após 5 anos de recuperação judicial, a OAS saiu da tutela da Justiça. Mas antes de cumprir com o plano e pagar seus credores, em 2021, a OAS promoveu uma reestruturação que resultou na criação das subsidiárias Meta e Coesa, entre outras. A primeira ficou com os contratos de engenharia, cedidos a custo zero, enquanto a segunda herdou as dívidas.

 

Logo após ter sido criada, a Coesa entrou com pedido de recuperação judicial — e os credores, que ainda não tinham recebido os créditos devidos da OAS, se viram tendo que enfrentar uma nova recuperação judicial.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

VÍDEO: Mulher tem carro roubado em frente a condomínio no bairro da Graça, em Salvador

Uma mulher teve seu carro roubado nesta quarta-feira (24) em frente a um condomínio localizado na rua 8 de dezembro, no bairro da Graça, em Salvador. Nas imagens obtidas pelo Bahia Notícias é possível o momento em que o suspeito - que usava boné, camisa azul e uma bermuda jeans - se aproxima da vítima

Polícia encontra 3 corpos enterrados no Guarujá após denúncia anônima

São Paulo – A Polícia Militar encontrou na tarde desta quarta-feira (24/4) 3 corpos enterrados em uma comunidade na Vila Baiana, em Guarujá, no litoral de São Paulo. Os cadáveres estavam em um ponto alto do morro da comunidade e foram localizados após a PM receber uma denúncia anônima. Com isso, já são 6 corpos

Portugal reconhece escravidão e pede desculpas pelo genocídio indígena e tráfico de escravos

O presidente de Portugal reconheceu em público crimes cometidos durante o período colonial. É a primeira vez que um líder português pede perdão por estes crimes. A admissão ocorreu na noite desta terça-feira (23), em um jantar do chefe do executivo português com correspondentes internacionais, em meio às celebrações dos 50 anos da Revolução dos