Relator descarta votação de minirreforma eleitoral

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

O senador Marcelo Castro (MDB-PI), que vai relatar o projeto de minirreforma eleitoral em tramitação no Senado, disse nesta terça-feira, 3, que a proposta não será votada pela Casa nos próximos dias. A declaração enterra os planos de aprovação de mudanças na legislação eleitoral para serem aplicadas já na disputa do ano que vem.

“A minirreforma eleitoral não será votada pelo Senado nesta semana, o que inviabiliza sua aplicação para as eleições de 2024. O Senado preferiu se dedicar com mais profundidade ao Código Eleitoral, já sob minha relatoria, e fazer uma reforma eleitoral mais ampla e consistente”, afirmou Castro nas redes sociais.

Como mostrou o Estadão/Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, o Senado deixou a proposta de lado. O presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), fez valer a sua posição contrária à aceleração da tramitação do projeto.

Para valer no pleito do próximo ano, a minirreforma eleitoral teria de ser aprovada e sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva até sexta-feira, 6. Pelo princípio da anualidade, uma modificação na lei eleitoral só pode ser aplicada em uma disputa se já estiver em vigência um ano antes da votação.

Pressa

Com o empenho do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), a Câmara aprovou um pacote de mudanças. A versão dos deputados foi aprovada em 14 de setembro, depois de pouco mais de dois meses de discussão em um grupo de trabalho que foi presidido pela deputada Dani Cunha (União Brasil-RJ).

De forma geral, a minirreforma flexibiliza as regras de prestação de contas e a aplicação de multas a candidatos e partidos políticos. Organizações da sociedade civil criticaram a velocidade da discussão e apontaram problemas que, de acordo com elas, fragilizam a transparência.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

PT e Centrão se unem para quebrar acordo e retirar PL da presidência da CCJ

O PT e o Centrão articulam para quebrar um acordo firmado no começo do ano passado e tirar o PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro, da presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara neste ano. Se o plano se consolidar, a CCJ, o colegiado mais importante de todos da Casa, ficará com

Juiz arquiva investigação sobre Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições de 2012

A Justiça Federal em São Paulo decretou o arquivamento de uma investigação policial sobre o ministro da Fazenda Fernando Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições municipais de 2012 - na ocasião, o petista disputou e venceu o pleito, derrotando o tucano José Serra na corrida à Prefeitura da Capital. A decisão judicial acolhe

PF mira trama golpista em depoimento conjunto de Bolsonaro e outros 22

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) prestou depoimento na tarde desta quinta-feira (22) à Polícia Federal sobre os planos discutidos no fim de 2022 para um golpe de Estado contra a eleição de Lula (PT) à Presidência da República. O depoimento foi marcado para iniciar às 14h30. Ex-ministros, ex-assessores, militares e aliados