Salles recua após 4 meses e se lança de novo na disputa para Prefeitura de SP

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O deputado federal bolsonarista Ricardo Salles (PL-SP) diz que voltou à disputa pela Prefeitura de São Paulo, quatro meses após anunciar que havia desistido de ser candidato.

Nesta terça-feira (3), ele publicou “back to the game” (de volta ao jogo, em inglês) nas redes sociais. A decisão vem após um encontro de Salles com o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que, segundo aliados do deputado, deu o aval para que ele retorne à cena eleitoral.

Na avaliação do entorno de Salles, ficou claro que o prefeito Ricardo Nunes (MDB), que estabeleceu uma relação morde e assopra com Bolsonaro, tinha apenas a intenção de usar a direita bolsonarista, algo que incomoda o ex-presidente.

Por um lado, Nunes quer o apoio do ex-presidente para evitar que os bolsonaristas tenham um candidato próprio. Por outro lado, a participação de Bolsonaro em sua campanha pode afastar eleitores –o Datafolha mediu que 68% não votam em um nome indicado por ele.

O obstáculo para Salles, contudo, é o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, que defende a aliança do seu partido com Nunes e que já foi duramente atacado pelo deputado. Mesmo aliados de Salles afirmam que o parlamentar errou ao romper dessa maneira com Valdemar.

Quando desistiu de concorrer, em junho, Salles afirmou que “o centrão ganhou e a direita perdeu”. Na época, ele publicou ainda que “quem com os porcos anda, farelo come”.

Os ataques de Salles a Valdemar seguem constantes. Na última sexta (30), ele publicou uma notícia sobre o apoio do líder do PL a Flávio Dino (PSB) na vaga para o STF (Supremo Tribunal Federal) e comentou: “Está no DNA, não adianta…”.

Caso não tenha o apoio do PL para concorrer, Salles quer que o partido permita que ele se desfilie sem perder o mandato e se lance por outra legenda menor.

Nos últimos meses, Salles se dedicou à CPI do MST, da qual foi relator. A CPI, no entanto, terminou sem que o relatório fosse votado.

Em agosto, a primeira pesquisa Datafolha para a Prefeitura de São Paulo indicou que Guilherme Boulos (PSOL) tem 32%, ante 24% de Nunes. Em seguida aparecem Tabata Amaral (PSB) com 11% e Kim Kataguiri (União Brasil) com 8%.

Entusiastas da candidatura de Salles dizem acreditar que Nunes não é viável e acumula uma série de problemas, o que facilita uma vitória de Boulos.

Para eles, há espaço entre o eleitorado de direita desde que Salles faça uma campanha equilibrada e demonstre uma visão empreendedora e séria, sem descambar para radicalismo e “gestos de arminha”.

Apesar de carregar o DNA bolsonarista, Salles tenta fugir da pecha de radical e quer apostar em sua experiência administrativa para concorrer. Além da contestada gestão no Ministério do Meio Ambiente, Salles foi secretário estadual em São Paulo no governo Geraldo Alckmin (PSB).

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

PT e Centrão se unem para quebrar acordo e retirar PL da presidência da CCJ

O PT e o Centrão articulam para quebrar um acordo firmado no começo do ano passado e tirar o PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro, da presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara neste ano. Se o plano se consolidar, a CCJ, o colegiado mais importante de todos da Casa, ficará com

Juiz arquiva investigação sobre Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições de 2012

A Justiça Federal em São Paulo decretou o arquivamento de uma investigação policial sobre o ministro da Fazenda Fernando Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições municipais de 2012 - na ocasião, o petista disputou e venceu o pleito, derrotando o tucano José Serra na corrida à Prefeitura da Capital. A decisão judicial acolhe

PF mira trama golpista em depoimento conjunto de Bolsonaro e outros 22

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) prestou depoimento na tarde desta quinta-feira (22) à Polícia Federal sobre os planos discutidos no fim de 2022 para um golpe de Estado contra a eleição de Lula (PT) à Presidência da República. O depoimento foi marcado para iniciar às 14h30. Ex-ministros, ex-assessores, militares e aliados