Janones é alvo da oposição após suspeita de ‘rachadinha’, e PGR analisa acusações

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A PGR (Procuradoria-Geral da República) analisa representações contra o deputado André Janones (Avante-MG), acusado por assessores de operar um esquema de “rachadinha” em seu gabinete a partir de 2019, quando tomou posse no primeiro mandato na Câmara.

Um áudio atribuído ao parlamentar mostra ele cobrando parte dos salários de assessores. O registro, de 2019, foi divulgado nesta segunda (27) pelo site Metrópoles.

As representações foram enviadas à PGR por adversários de Janones no Congresso Nacional e entregues à assessoria criminal de Elizeta Ramos, procuradora-geral da República interina.

Nas redes sociais e em entrevistas nesta segunda e terça, o deputado negou ter promovido “rachadinha”, afirmando que pediu contribuições a amigos, que viriam a se tornar seus assessores, para quitar dívidas assumidas em conjunto nas eleições de 2016.

Disse ainda que não considera sua atitude ilícita e que, de qualquer forma, a devolução de parte dos salários dos assessores acabou não ocorrendo por orientação jurídica que recebeu. Na campanha de 2022, Janones liderou ações nas redes digitais para a eleição do hoje presidente Lula (PT).

A PGR fará uma análise preliminar das representações e, se identificar indícios de irregularidades, pedirá a abertura de inquérito ao STF (Supremo Tribunal Federal). No âmbito da corte, no entanto, as acusações contra o parlamentar já tramitam desde maio. O relator é o ministro Luiz Fux.

Assina também uma dessas representações o ex-deputado federal Deltan Dallagnol (Novo-PR), que teve o mandado cassado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em maio.

Ex-coordenador da Operação Lava Jato em Curitiba, Deltan defende que seja instaurada investigação para apurar possível prática dos crimes de peculato, apropriação indébita, lavagem de dinheiro, organização criminosa e caixa 2 eleitoral.

Entre outras diligências, ele pede que a Procuradoria acione o Coaf para a obtenção de informações sobre movimentações financeiras atípicas de Janones e de todos os servidores lotados em seu gabinete ou já exonerados da Câmara, além da quebra de sigilos bancário.

Na gravação, Janones diz que usaria o dinheiro para pagar prejuízos de uma campanha de 2016 ao cargo de prefeito de Ituiutaba (MG).

O áudio, segundo a reportagem do site, foi gravado por um ex-assessor, e a conversa ocorreu dentro de uma sala de reuniões na Câmara dos Deputados.

Na conversa, Janones diz que “algumas pessoas” do núcleo de funcionários dele receberiam um valor maior do que o normal de salário. O valor seria repassado para ele para abater o prejuízo de R$ 675 mil na campanha de 2016. Naquele pleito para prefeito, Janones teve 13.759 votos, ficando em segundo lugar, com 24,4%, atrás do candidato Fued Dib (PMDB), que teve 29.388 votos.

Janones nega no áudio que esteja cometendo um ato de corrupção. Ele fala aos assessores que o repasse “não é segredo” e que “não tem problema ninguém saber”.

Afirma que perdeu uma casa, um carro, poupança e previdência privada na corrida eleitoral e que não “entristeceria um milímetro” se perdesse o mandato por alguma denúncia.

“Não é [corrupção], porque o ‘devolver salário’ você manda na minha conta e eu faço o que quiser. São simplesmente algumas pessoas que eu confio e que participaram comigo em 2016, e que eu acho que elas entendem que realmente o meu patrimônio foi todo dilapidado. Eu perdi uma casa de R$ 380 mil, um carro, uma poupança de R$ 200 mil e uma previdência de R$ 70 mil. Eu acho justo que essas pessoas também hoje participem comigo dessa reconstrução disso”, afirma na gravação.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Vereadores trocam socos em sessão transmitida ao vivo em Câmara na Bahia

Vereadores da Câmara Municipal de Lauro de Freitas (BA), município da região metropolitana de Salvador, trocaram tapas e socos na sessão ordinária desta quarta-feira, 28. A agressão entre os parlamentares foi transmitida ao vivo no canal do YouTube da Casa. Outros parlamentares e seguranças separaram a briga e a sessão foi encerrada. As imagens mostram

Extremismo digital no País usa métodos nazista e fascista, diz Moraes

Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes comparou os métodos utilizados para a propagação de desinformação pelas "milícias digitais" na internet àqueles utilizados em regimes fascista e nazista. O tema faz parte da tese que o ministro elaborou e inscreveu para participar do concurso para uma

Padilha: ‘Estranho’ deputado assinar pedido de impeachment e estar no governo

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, disse nesta quarta-feira, 28, achar "estranho e inesperado" que alguém que tenha assinado o pedido de impeachment do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) queira participar do governo e tenha indicado pessoas para cargos na estrutura federal. "Acho, inclusive, que parlamentar que assinou pedido de impeachment não