Investimentos no Brasil podem cair após a taxação de fundos exclusivos e offshores, aponta tributarista

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos


fotografia 25

A aprovação da tributação de fundos exclusivos e offshores no Senado poderia acelerar a retirada de investimentos do Brasil, de acordo com o tributarista Bruno Romano. Em entrevista à Jovem Pan News, o especialista afirmou que a arrecadação deve aumentar, no entanto, muitos dos investidores devem retirar o dinheiro e enviar para outros países: “Apesar de haver um aumento de arrecadação por parte de alguns contribuintes que permanecerão no Brasil e vão acabar recolhendo esses tributos, muitos outros vão mudar sua residência fiscal, vão passar a morar em outros países e por conta disso o efeito pode acabar sendo negativo com relação a isso e a arrecadação não será de R$ 20 ou R$ 40 bilhões que o governo está esperando”. Na avaliação do tributarista, a aprovação da tributação foi uma vitória do governo em termos políticos, mas ruim em aspectos econômicos: “Há um alinhamento neste momento entre governo e Congresso para a aprovação de uma medida neste sentido. Politicamente também é uma medida muito importante porque você traz um discurso que é muito passional, no sentido de que os ricos precisam pagar tributos. Isso gera um clamor muito grande. Nesse sentido político foi uma vitória para o governo”.

“Em termos econômicos, foi um retrocesso. Para arrumar as contas, seria muito melhor o governo gastar menos do que tentar arrecadar mais”, explicou. Romano ainda destaca que, com a possível saída de investidores, os efeitos na economia a longo prazo podem ser negativos: “Há possibilidade desses contribuintes resolverem se mudar do Brasil, o que faz com que haja um efetivo esvaziamento desse investimento. Esvaziando o investimento no país, você tem diminuição de empregabilidade, aumento do índice de desemprego, corre o risco de que haja um aumento do índice de inflação, e com o aumento do índice de inflação você é obrigado a aumentar a taxa de juros. O efeito rebote pode ser prejudicial”.

*Com informações do repórter Álvaro Nocera

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Secretário de Haddad propõe no G20 discussão sobre tributação de heranças e de grandes empresas

O secretário de política econômica do ministério da Fazenda, Guilherme Mello, disse nesta quarta-feira, 28, que a tributação sobre grandes heranças e sobre o lucro de grandes empresas estará presente na pasta nas próximas reuniões do G20. “O Haddad já mencionou mais de uma vez sua preocupação sobre essa temática e trouxe o que entendemos

Renda média do brasileiro chega a R$ 1.893 por pessoa, aponta IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta-feira, 27, dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) que mostram que a renda domiciliar per capita nominal dos brasileiros ficou em média de R$ 1.893 em 2023. As informações são divulgadas conforme determinação da Lei Complementar 143/2013, que dita os

Bilionários precisam pagar mais impostos, diz Haddad em reunião do G20

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta quarta-feira, 28, que os bilionários precisam pagar mais impostos. “Precisamos admitir que ainda precisamos fazer com que os bilionários do mundo paguem sua justa contribuição em impostos”, disse. “Chegamos a uma situação insustentável, em que os 1% mais ricos detêm 43% dos ativos financeiros mundiais e emitem a