Israel confirma que 15 dos 137 reféns do Hamas morreram em Gaza

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos
refens do hamas

O governo de Israel confirmou nesta segunda-feira, 4, com base em informações de inteligência a e evidências coletadas pelas tropas posicionadas no enclave palestino, que 15 das 137 pessoas que ainda são feitas de reféns na Faixa de Gaza foram mortas. O gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, emitiu um comunicado no qual publicou os nomes de “15 civis e militares que foram mortos e ainda estão sendo mantidos como reféns em Gaza”. Entre eles estão Shaked Dahan, Tomer Achims, Kirill Borovsky, Assaf Hammi, Mia Goren, Ofra Kidar, Aryeh Zalmanovitz, Eliyahu Margalit, Ronen Engel, Aviv Azili, Ravid Aryeh Katz, Shani Luke, Oren Goldin, Yonatan Samarno e Guy Iloz. Com essa baixa, o número de sequestrados atual é de 122. Entre os reféns considerados vivos estão duas crianças, os irmãos Ariel e Kfir Bibas, de 4 anos e 10 meses, respectivamente, que foram sequestrados com a mãe, Shiri Silverman Bibas – de origem argentina -, e o pai, Yarden Bibas. Israel acusou o Hamas de violar os termos de uma trégua de 24 a 30 de novembro ao se recusar a libertar Bibas e seus dois filhos. O grupo islâmico alega que os três foram mortos por bombardeios israelenses, se ofereceu para entregar seus corpos e Israel os recusou.

No sábado, milhares de pessoas, incluindo alguns dos reféns recentemente libertos, fizeram uma manifestação em Tel Aviv para exigir que o governo resgate os demais, mas Netanyahu insistiu que a prioridade agora é intensificar a ofensiva militar na Faixa de Gaza. A trégua entre Israel e Hamas que durou sete dias possibilitou a libertação de 105 reféns – 81 israelenses e 24 estrangeiros (23 tailandeses e um filipino). A eles se juntaram outros quatro reféns que foram libertas anteriormente: uma mãe e uma filha israelenses-americanas e duas idosas israelenses. Além disso, Israel recuperou os corpos de três reféns que morreram na Faixa de Gaza: um homem, uma soldado e uma idosa. O ataque do Hamas contra Israel em 7 de outubro desencadeou uma guerra no Oriente Médico e deixou mais de 1.200 pessoas mortas em Israel. Desde então, a ofensiva militar na Faixa de Gaza deixou mais de 15.500 mortos, 41.316 feridos, mais de 7.000 desaparecidos e 1,8 milhão de desabrigados, 80% da população total do enclave.

*Com informações da EFE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Israel acusa ONU de ignorar crimes do Hamas por pedir embargo de armas

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, acusou os relatores e especialistas da ONU (Organização das Nações Unidas) de “ignorar os crimes de guerra, os crimes sexuais e os crimes contra a humanidade” cometidos pelo grupo palestino Hamas. A declaração ocorre após 37 membros da entidade pedirem na última sexta-feira, 23, um embargo

Youtuber é condenada a 30 anos de prisão por abuso infantil

Ruby Franke, a norte-americana que fornecia orientação parental no Youtube, foi sentenciada a uma pena de até 60 anos de prisão por quatro crimes de abuso agravado de crianças. Ela cumprirá uma pena efetiva de até 30 anos, o tempo máximo por acumulação jurídica no estado de Utah. A acusação incluía quatro crimes de abuso

Milei participa de evento com Trump nos EUA e sinaliza apoio ao republicano

O presidente da Argentina, Javier Milei, e o ex-presidente Donald Trump compartilharam um abraço entusiasmado na Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC) em Maryland, nos Estados Unidos. Em vídeo compartilhado por um membro da campanha do republicano, o argentino aparece gritando “presidente” e puxando Trump para um abraço antes de tirarem fotos juntos. O norte-americano