Lula retorna de giro internacional com previsão de viagens só em 2024

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva retorna ao Brasil nesta terça-feira (5) após participar da 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP28), em Dubai, nos Emirados Árabes, e visitar mais três países – Arábia Saudita, Catar e Alemanha – onde assinou acordos bilaterais e se reuniu com empresários, na busca de investimentos para o Brasil. Para o ano que vem, Lula prevê mais duas viagens internacionais.

Durante o programa semanal Conversa com o Presidente, no canal Gov, ele explicou que vai se dedicar a viajar o Brasil, com exceções de dois encontros, o da União Africana, na Etiópia, e o da Caricom (comunidade de países do Caribe), na Guiana. “Essas eu quero participar porque são coisas que eu tenho interesse de falar para eles, sobre democracia, sobre o sistema ONU, sobre financiamento. O restante dos 365 dias, se preparem, porque eu vou percorrer o Brasil”, disse.

“Eu quero visitar o Brasil, eu quero visitar as cidades, eu quero conversar com prefeitos, com o povo, com os governadores, porque eu estou determinado não apenas a cuidar do povo brasileiro, mas cuidar da civilidade, da democracia, da relação humana, cuidar de uma coisa chamada carinho, que a gente tem que tratar com as pessoas, e respeito. Esse Brasil vai ter que voltar a ser um país do respeito. As pessoas podem não gostar politicamente da outra, mas têm que respeitar a outra. Esse país não pode ser um país desumano, agressivo, violento, desrespeitoso, como foi no passado muito próximo”, acrescentou.

Desde o início do ano, Lula fez visitas de Estado e esteve em diversos fóruns internacionais em países da América, Ásia, África e Europa com o objetivo de retomar as relações diplomáticas e o protagonismo do Brasil no mundo. Após os meses de giro internacional, ele passou por uma cirurgia para recuperação da articulação do quadril, no fim de setembro, e agora fez a última viagem de 2023.

“Eu volto dessa viagem, depois de passar pela Arábia Saudita, pelo Catar, pela COP28 nos Emirados, e agora na Alemanha, muito convencido que o Brasil voltou a ser um país respeitado no mundo. As pessoas querem saber o que acontece aqui, querem investir aqui. Querem saber da transição energética e da presidência do Brasil no G20”, afirmou.

Na última parada, em Berlim, na Alemanha, foram assinados 19 instrumentos de cooperação em áreas como meio ambiente e mudança do clima, agricultura, bioeconomia, energia, saúde, ciência, tecnologia e inovação, desenvolvimento global, integridade da informação e combate à desinformação. Os acordos já vinham sendo discutidos há meses.

O evento central da viagem foi a COP28, em Dubai, nos Emirados Árabes, onde o Brasil buscou o protagonismo “pelo exemplo”. Com uma redução do desmatamento na Amazônia de 22,3%, a maior queda em uma década, o governo espera convencer o mundo de que é uma liderança no combate às mudanças climáticas. Por outro lado, o aumento do desmatamento do Cerrado, os incêndios no Pantanal e a defesa da exploração de petróleo na margem equatorial brasileira são pontos que os ambientalistas ainda criticam.

Entre as medidas que o governo apresentou no evento em Dubai estão a de remunerar a proteção das florestas, para que o mundo pague os países que mantêm as florestas em pé; o Plano de Transformação Ecológica, com ações para finanças sustentáveis, transição energética, bioeconomia e de infraestrutura e adaptação à mudança do clima; e o recém-lançado programa para recuperação de pastagens degradadas, com previsão de recuperar 40 milhões de hectares de pastagem em até 15 anos. O governo ainda destacou a retomada e ampliação do Fundo Amazônia e do Fundo Clima.

Nesta terça-feira, antes de deixar a Alemanha, Lula se reuniu com o ex-chanceler alemão e ex-presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Horst Köhler. De acordo com o Palácio do Planalto, o presidente abordou temas como a necessidade de equacionar o endividamento de países africanos, que chega da US$ 800 bilhões, e o esgotamento de instituições multilaterais diante do atual cenário geopolítico internacional.

“Eles abordaram as dívidas dos países africanos com o fundo [Fundo Monetário Internacional] na perspectiva de como isso dificulta o desenvolvimento econômico dessas nações, e citaram a instabilidade em alguns territórios, com conflitos armados, como outra vertente dos desafios atuais no continente”, informa o comunicado da Presidência.

O Brasil deve usar a presidência do G20, grupo que reúne as 20 maiores economias do planeta, para propor a reforma de instituições multilaterais como o FMI, o Banco Mundial e a Organização Mundial do Comércio (OMC). O mandato, que começou na sexta-feira (1º), tem duração de 1 ano e se encerra em 30 de novembro de 2024. É a primeira vez que o país ocupa essa posição na história do grupo no formato atual.

As prioridades do Brasil nessa liderança são o combate à fome, à pobreza e à desigualdade; o desenvolvimento sustentável, nas dimensões econômico, social e ambiental; e a reforma da governança global.

A previsão é que a comitiva presidencial desembarque no Rio de Janeiro esta noite. Na capital fluminense, Lula vai comandar a Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul, na quinta-feira (7).

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Esquerda diverge sobre pedir prisão de Bolsonaro e evita Paulista para manifestação

(FOLHAPRESS) - Movimentos e partidos de esquerda decidiram vetar o mote da prisão de Jair Bolsonaro (PL) como bandeira de uma manifestação que foi marcada para 23 de março, quase um mês depois do ato que reuniu milhares de apoiadores do ex-presidente na avenida Paulista no último domingo (25). A proposta de defender a prisão

Cármen Lúcia: ‘Brasil não pode ficar a cada governo tendo um soluço antidemocrático ambiental’

Em discussão no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a chamada "pauta verde", a ministra Cármen Lúcia disse, nesta quinta-feira, 29, que o governo Lula avançou nas medidas de política ambiental. Mas, a magistrada não reduziu as exigências feitas ainda durante a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Em 2022, quando a pauta entrou

PF indicia Carla Zambelli e hacker da Lava Jato por invasão ao sistema do CNJ

A Polícia Federal (PF) concluiu a investigação sobre a invasão dos sistemas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com o indiciamento da deputada Carla Zambelli (PL-SP) e do hacker Walter Delgatti. Eles podem responder pelos crimes de invasão de dispositivo informático e falsidade ideológica. O relatório final da Polícia Federal afirma que documentos apreendidos com