OEA considera anexação de Essequibo pela Venezuela ilegal e convoca reunião com membros permanentes

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 3 minutos
venezuela e colombia fronteiras

A Organização dos Estados Americanos (OEA) fez um pronunciamento nesta sexta-feira, 8, sobre a tensão entre Venezuela e Guiana, que gera o alerta para uma possível nova guerra no mundo. Em comunicado, a entidade classificou as ações venezuelanas como agressivas e ilegais e disse que a situação se transformou “em um ponto de importante preocupação para a segurança regional” e “constitui uma questão que ameaça a estabilidade e a soberania territorial no hemisfério norte”. “O governo de Maduro continua a tomar e a promover ações ilegais contra a Guiana, como a realização de um referendo ilegal e ilegítimo em 3 de dezembro de 2023, através do qual pretende anexar a região de Essequibo“, diz a nota. Segundo a Venezuela, 95% da população apoia a anexação da região que atualmente pertence à Guiana. A OEA considera que as ações de Maduro são um flagrante desrespeito pelo direito internacional e pelas decisões do Tribunal Internacional de Justiça, e é uma “utilização antidemocrática de processos democráticos”.

Diante da situação e da tensão cada dia mais presente – o Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) convocou uma reunião para essa sexta-feira, para falar sobre a tensão entre os países -, a OEA solicitou “uma reunião do Conselho Permanente para discutir medidas para mitigar a crise e explorar soluções que respeitem o direito internacional e a estabilidade regional”. A região de Essequibo, que a Venezuela alega lhe pertencer, representa um pouco mais de 70% da Guiana e em 2015 foi descoberto petróleo e minerais na região, o que aumento ainda mais a reivindicação venezuelana pelo local. Atualmente, vivem na região 125 mil dos 800 mil habitantes da Guiana, país que se tornou independente do Reino Unido em 1966. Caracas argumenta que o rio Essequibo é a fronteira natural, como em 1.777 quando era colônia da Espanha, e apela ao acordo de Genebra, assinado em 1966 antes da independência da Guiana do Reino Unido, que estabelecia as bases para uma solução negociada e anulava um laudo de 1899, que fixou os limites atuais. Com a anexação da região, a Venezuela pretende criar um novo local chamado ‘Guiana Essequiba’.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Criança de 9 anos é presa após morte de familiar nos EUA

Uma tragédia familiar abalou a cidade de Tooele, no estado de Utah, nos Estados Unidos. Uma criança de 9 anos foi detida após um familiar ser morto com um tiro na cabeça, na noite do dia 16 de fevereiro, de acordo a ABC News. O sexo da criança não foi divulgado, assim como o grau

Israel acusa ONU de ignorar crimes do Hamas por pedir embargo de armas

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, acusou os relatores e especialistas da ONU (Organização das Nações Unidas) de “ignorar os crimes de guerra, os crimes sexuais e os crimes contra a humanidade” cometidos pelo grupo palestino Hamas. A declaração ocorre após 37 membros da entidade pedirem na última sexta-feira, 23, um embargo

Youtuber é condenada a 30 anos de prisão por abuso infantil

Ruby Franke, a norte-americana que fornecia orientação parental no Youtube, foi sentenciada a uma pena de até 60 anos de prisão por quatro crimes de abuso agravado de crianças. Ela cumprirá uma pena efetiva de até 30 anos, o tempo máximo por acumulação jurídica no estado de Utah. A acusação incluía quatro crimes de abuso