Referendo na Venezuela aprova anexar área disputada com a Guiana

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos
venezuela guiana essequibo referendo efe miguel gutierrez

Os venezuelanos apoiaram, em um referendo não vinculativo, a anexação do território de Essequibo pela Venezuela, segundo os primeiros resultados da consulta popular realizada neste domingo, 3, no país. A região tem quase 160 mil quilômetros quadrados, é rica em petróleo e disputada com a vizinha Guiana. De acordo com o Conselho Nacional Eleitoral (CNE), houve um total de 10.554.320 votos, e 95,93% dos venezuelanos que participaram do referendo (o CNE não informou a porcentagem de abstenções) responderam afirmativamente à quinta pergunta, sobre se concordavam ou não com a anexação desse território e a criação, nele, de uma nova região chamada “Guayana Esequiba”. Com esse resultado, o governo do presidente Nicolás Maduro obteve apoio popular para desenvolver, como pedia a pergunta, “um plano acelerado para o atendimento integral da população atual e futura” dessa área, o que inclui a concessão de cidadania às 125 mil pessoas que lá vivem, em sua maioria comunidades indígenas.

Na votação, promovida pelo governo e parte da oposição, 95,94% dos venezuelanos também concordaram em se opor “por todos os meios” à reivindicação da Guiana, que controla o território em questão, de “dispor unilateralmente” das águas que Caracas considera “pendentes de delimitação”. Além disso, 95,40% dos eleitores apoiaram a ideia de “não reconhecer a jurisdição da Corte Internacional de Justiça” (CIJ) nessa controvérsia do século XIX, que está sendo resolvida nesse tribunal desde 2018. Assim como o governo, 98,11% dos eleitores entenderam o Acordo de Genebra como o “único instrumento legal válido para chegar a uma solução” nessa disputa, em referência ao documento assinado em 1966, segundo o qual as partes se comprometem a encontrar um resultado “satisfatório” para ambas as nações por meio de negociações diretas. O referendo também viu 97,83% rejeitarem, “por todos os meios”, o Laudo Arbitral de Paris, o argumento legal da Guiana na disputa e que definiu as fronteiras atuais em 1899.

*Com informações da EFE

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Cuba pede ajuda à ONU por escassez de leite a menores de 7 anos no país

O governo de Cuba solicitou ajuda ao Programa Mundial de Alimentos (PMA), um dos braços da ONU, pela primeira vez. O país tem enfrentado dificuldades para continuar entregando leite a crianças menores de sete anos. Um comunicado oficial de governo cubano foi enviado ao PMA, que já está agilizando o envio de leite em pó

Juiz que ordenou multa de milhões a Trump recebe envelope com pó branco

Um envelope que continha um pó branco e que estava enderençado ao juiz que considerou Donald Trump culpado num caso de fraude gerou momentos de pânico num tribunal em Nova York, nos Estados Unidos. De acordo uma fonte próxima da situação, citada pelas publicações internacionais, o envelope nunca chegou ao juiz e questão, Arthur Engoron.

Morre Cat Janice, cantora que viralizou com música para garantir o futuro do filho

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Cat Janice, a cantora que viralizou em janeiro com música feita para o filho, morreu nesta quarta-feira (28) aos 33 anos. A notícia foi divulgada pelo seu perfil nas redes sociais. Ela enfrentava um câncer no pulmão desde julho do ano passado. "Na manhã de hoje, na casa onde passou