Robson tenta mudar decisão que impõe distância da ex, mas Justiça nega

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

A defesa do ex-delegado-geral da Polícia Civil  do Distrito Federal (PCDF) Robson Cândido pediu que a Justiça revisse a determinação para que ele mantenha distância de três quilômetros de distância da ex-namorada. A jovem de 25 anos está protegida pelo Dispositivo Móvel de Proteção à Pessoa (DMPP) desde que o delegado aposentado saiu da prisão.

Os advogados de Robson argumentaram que “é impossível que ele saiba onde a vítima está com uma distância de 3 km”. O juiz do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Águas Claras, porém, negou o pedido de revisão da distância estabelecida. A nova decisão foi proferida nesta terça-feira (5/12).

Segundo o magistrado Frederico Maciel, a intenção é de que Robson realmente não saiba onde a vítima está.

“Aponto à defesa que é exatamente este o objetivo da monitoração eletrônica: é a não aproximação da vítima e o acusado, mesmo que visual, com intuito de resguardar as integridades física e psicológica da ofendida. Conforme determinação judicial, o acusado não deve se aproximar da vítima, sob pena de descumprimento de cautelar e decretação de prisão preventiva”, escreveu.

O juiz ainda frisou que a medida foi uma alternativa à prisão de Robson.  “Em contraposição ao que relatou a defesa, a distância fixada por este juízo não gera qualquer constrangimento ilegal. A medida foi concedida como alternativa a prisão preventiva, com fulcro no poder geral de cautela. Ademais, o DMPP promove a devida orientação ao investigado para que não descumpra a zona de exclusão. Como já informado em decisão anterior, foi escolhida a zona móvel de exclusão para que o acusado não tenha conhecimento do endereço da vítima.

“Por fim, ressalto que a distância não é demasiada extensa, haja vista que, por exemplo, um agressor conduzindo um veículo a 60km/h, alcançaria a vítima em 3min, tempo extremamente curto para a intervenção da força policial”, completou o magistrado.

Distância e proteção Em 30 de novembro, a ex-namorada de Robson Cândido aceitou a proteção do dispositivo de segurança oferecido pela Justiça após a soltura do ex-chefe da PCDF. De acordo com a determinação, Robson tem de manter distância de três quilômetros da jovem.

Caso ele ultrapasse esse limite, o Dispositivo Móvel de Proteção à Pessoa (DMPP) acionará a Polícia Militar imediatamente.

Em carta destinada ao titular do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Águas Claras, ela afirmou que tem medo do que pode acontecer após a libertação do delegado aposentado.

“Atualmente, ele ganhou a liberdade, e eu virei prisioneira, pois estou sem sair de casa, com medo de ser assassinada. Não sei como serão meus próximos dias, pois tenho que comparecer ao meu trabalho, que é minha única fonte de sustento, pois sou absolutamente sozinha em Brasília”, ressaltou no texto.

Entenda o caso Robson Cândido deixou o cargo de diretor-geral da PCDF em 2 de outubro, após ser denunciado pela esposa e por uma ex-namorada dele. Em seguida, ele se aposentou. O comunicado saiu no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) em 17 de outubro.

A esposa de Cândido e a ex-namorada dele procuraram a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), na Asa Sul, e acusaram o delegado pelos crimes de perseguição e ameaça.

Os promotores concluíram que o delegado aposentado usou sistemas restritos das forças de segurança para perseguir a mulher com quem teve um relacionamento. O delegado Thiago Peralva, suspeito de inserir os dados da vítima no sistema de monitoramento, também foi denunciado.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Supremo retoma julgamento sobre indenização a vítimas de bala perdida

Nesta sexta-feira (1º), o Supremo Tribunal Federal (STF) retoma o julgamento de recurso que discute se o Estado deve indenizar financeiramente por morte de vítimas de bala perdida em operações policiais, mesmo não sendo possível confirmar a origem do disparo. As informações são do Metrópoles, parceiro do Bahia Notícias.    O ministro André Mendonça pediu

CNJ pede compartilhamento integral de ação da Faroeste para instrução de PAD contra membros do TJ-BA

O Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão assinada pelo ministro Og Fernandes, autorizou ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) novo compartilhamento integral da ação penal 940, que investiga fatos ligados à Operação Faroeste. O CNJ ingressou com o pedido para utilizar os autos para fins de instrução de processo administrativo disciplinar (PAD) contra membros

Homem socorre mulher que apanhava do marido e morre com facada

Diones Oliveira da Silva, 27 anos, foi assassinado com uma facada, na noite de quinta-feira (24/2), em Campo Verde, a 131 km de Cuiabá (MT), ao tentar defender uma mulher que estava sendo agredida pelo companheiro. O suspeito do crime foi preso em flagrante. De acordo com a Polícia Civil de Mato Grosso, Diones estava