Laudo diz que Navalni teve morte natural, dizem aliados

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O certificado de óbito de Alexei Navalni diz que o ativista de oposição a Vladimir Putin morreu de “causas naturais”, segundo seus aliados em operação no exterior publicaram nesta quinta (22) no X (ex-Twitter).

Também nesta quinta a mãe do ativista, Ludmila, publicou no YouTube que enfim conseguiu ver o corpo do filho, quase uma semana após sua morte. Ela se queixou que as autoridades russas não querem permitir um enterro público. “Eles querem que seja feito em segredo, sem despedidas. Querem me trazer no canto do cemitério e dizer: aqui jaz seu filho. Eu não concordo”, disse.

Navalni, 47, foi declarado morto após supostamente cair inconsciente durante uma caminhada a temperatura polares na prisão em que cumpria mais de 30 anos de cadeia, no Ártico russo, na sexta-feira passada (16). Não houve comentários do governo russo ainda.

Os aliados de Navalni não divulgaram o documento. Até aqui, o Serviço Prisional da Rússia havia dito que uma avaliação final da causa mortis do ativista seria divulgada em até duas semanas, gerando protesto por parte de sua família e aliados.

Segundo a viúva de Navalni, Iulia, o Kremlin mandou matar seu marido e esta tentando esconder evidências disso ao demorar na divulgação de dados sobre a morte. Ela sugeriu que ele tinha sido novamente envenenado com Novitchok, o agente neurotóxico que o levou a um coma em 2020, quando participava de uma campanha eleitoral local na Sibéria.

O resto da história é conhecido: Navalni foi levado para se tratar na Alemanha, acusou Putin e o seu serviço secreto pela tentativa de assassinato, foi preso ao voltar à Rússia em 2021 por ter violado uma condicional de sentença suspensa e viu o termo de prisão subir dez vezes em julgamentos que acusou de serem farsas.

Os grandes protestos reprimidos em 2021 por sua prisão foram bem mais modestos agora, e ainda assim a repressão policial deteve centenas de manifestantes que colocaram flores em monumentos associados à violência política soviética.

O Kremlin nega qualquer ligação com a morte do ativista, pela qual foi acusado por governos como o de Joe Biden, nos EUA. Nesta sexta (23), Washington irá divulgar um novo pacote de sanções específicas para pessoas ligadas ao caso.

Já países que pregam a ambiguidade na relação com a Rússia, como o Brasil, foram em outra linha. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) evitou criticar Putin ou o Kremlin, dizendo que caberia às instituições russas estabelecer a causa da morte de Navalni -o que, por óbvio, só será aceito pelas mesmas autoridades.

Navalni nunca foi um líder popular no sentido de densidade eleitoral, mas chamou a atenção ao comandar uma grande rede virtual para mobilizar jovens em protestos contra a corrupção e, depois, Putin. Foi barrado de candidatar-se a presidente em 2018 e, desde que foram abafadas as manifestações contra sua prisão, desapareceu progressivamente no brutal sistema penal russo.

Sua mãe agora acusa o mesmo Estado de tentar garantir esse isolamento na hora de seu enterro.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Dois helicópteros da Marinha do Japão caem no oceano e deixam um morto e sete desaparecidos

Dois helicópteros da Marinha do Japão, transportando oito tripulantes, caíram no Oceano Pacífico durante um voo noturno de treinamento na madrugada deste domingo, 21. O incidente ocorreu quando os helicópteros SH-60K da Força de Autodefesa Marítima perderam contato perto da ilha de Torishima, aproximadamente 600 quilômetros ao sul de Tóquio. O Ministro da Defesa do

Equador vai às urnas em referendo que pode reforçar segurança em meio a espiral de violência

Os equatorianos vão às urnas neste domingo (21), para um referendo que pode mudar a maneira que o Equador luta contra o narcotráfico em meio a uma espiral de violência nos últimos anos. A maioria das 11 perguntas feitas aos eleitores no referendo se concentra no reforço das medidas de segurança. As propostas incluem a mobilização

Colisão de helicópteros deixa pelo menos um morto e desaparecidos no Japão

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Uma pessoa morreu e pelo menos sete estão desaparecidas após dois helicópteros militares colidirem no Japão. A colisão ocorreu a 270 quilômetros da Ilha de Toshima, no Oceano Pacífico, no sábado (20). Quatro pessoas estavam em cada helicóptero, segundo a agência de notícias NHK. Os helicópteros, modelo SH-60K, são da