Presidente do México ataca jornalista após reportagem sobre laços com narcotráfico

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Avesso à liberdade de imprensa, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, voltou a atacar jornalistas e, desta vez, tornou-se alvo de uma investigação em seu próprio país.

AMLO, acrônimo pelo qual o populista é conhecido, divulgou nesta semana o número de contato de uma repórter do New York Times após o jornal americano solicitar que o gabinete do presidente respondesse a perguntas relativas a uma apuração em curso.

Reportagem divulgada nesta quinta-feira (22) pelo jornal revela que investigadores dos Estados Unidos monitoraram por anos as ligações entre aliados próximos de López Obrador e cartéis do narcotráfico. Esses assessores teriam recebido milhões de dólares dos grupos criminosos pouco após AMLO ser eleito, em 2018.

As provas de vínculos de pessoas ligadas ao esquerdista com os cartéis, no entanto, não teriam se desdobrado em uma investigação formal após o que a reportagem descreve como uma baixa disposição dos EUA em confrontar um importante aliado na região.

As relações EUA-México são importantes devido à extensa fronteira compartilhada, onde historicamente transcorre uma crise migratória que escalou ao longo do ano passado.

Ao ser procurado pelo New York Times para comentar o assunto, AMLO disse que as alegações eram “completamente falsas”.

Ele também foi prontamente a uma de suas “mañaneras”, entrevistas coletivas que concede todas as manhãs e nas quais corriqueiramente ataca a imprensa independente, criticar a repórter Natalie Kitroeff, chefe da sucursal do New York Times para México, América Central e Caribe. Após dizer que ela o estaria ameaçando com sua investigação, divulgou seu número de telefone.

A Inai, agência mexicana responsável por acesso à informação e proteção de dados pessoais, que não é ligada ao governo, disse em comunicado que abriu uma investigação para determinar se o vazamento do número de Kitroeff viola os princípios e os deveres estabelecidos na lei de dados do país.

É preciso aguardar o processo para que a agência divulgue se abrirá ou não uma denúncia formal contra o chefe do Executivo. As consequências para AMLO são incertas, mas as penalidades mais comuns para aqueles que violam princípios da lei de dados, mesmo agentes federais, são multas, cujos valores costumam estar na casa de milhões de pesos mexicanos (a cotação atual tem girado em 1 real=3,40 pesos).

Em comunicado, o New York Times descreveu as ações de AMLO como “uma tática preocupante e inaceitável por parte de um líder mundial”. “Especialmente em um momento no qual as ameaças a jornalistas têm crescido”, declarou a direção do jornal.

O México é considerado um dos países mais perigosos do mundo para o exercício do jornalismo. Desde 2000, ao menos 149 assassinatos de profissionais da imprensa foram registrados no país, segundo a ONG Repórteres Sem Fronteiras. Em um ranking de 180 países sobre liberdade de imprensa, a entidade coloca o México em 128º lugar (o Brasil está em 92º). Quanto mais perto de 180, menos liberdade há.

Presidente do Comitê para Proteção de Jornalistas (CPJ) no México, Jan-Albert Hootsen afirmou que, ao revelar dados da jornalista, AMLO “conscientemente colocou em risco a equipe do New York Times no país que é o mais perigoso para a imprensa no hemisfério ocidental”.

O México vai às urnas em junho, e AMLO necessariamente deixará o poder, pois a Constituição veda a reeleição.

Espera-se que o país tenha pela primeira vez uma líder mulher, já que a disputa se concentra entre a chefe de governo licenciada da Cidade do México, Claudia Sheinbaum, candidata governista, e a senadora Xóchitl Gálvez, escolhida por uma aliança de partidos de oposição para concorrer ao cargo.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Bebê é retirada viva do ventre da mãe morta em ataque aéreo em Gaza

Uma recém-nascida palestina foi salva do ventre da mãe, que foi morta num dos ataques aéreos israelitas durante a noite de sábado contra a cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, que matou 13 pessoas, incluindo nove crianças. A mulher grávida, Sabreen Al-Sheikh, perdeu a vida juntamente com o seu marido Shokri e

Dois helicópteros da Marinha do Japão caem no oceano e deixam um morto e sete desaparecidos

Dois helicópteros da Marinha do Japão, transportando oito tripulantes, caíram no Oceano Pacífico durante um voo noturno de treinamento na madrugada deste domingo, 21. O incidente ocorreu quando os helicópteros SH-60K da Força de Autodefesa Marítima perderam contato perto da ilha de Torishima, aproximadamente 600 quilômetros ao sul de Tóquio. O Ministro da Defesa do

Equador vai às urnas em referendo que pode reforçar segurança em meio a espiral de violência

Os equatorianos vão às urnas neste domingo (21), para um referendo que pode mudar a maneira que o Equador luta contra o narcotráfico em meio a uma espiral de violência nos últimos anos. A maioria das 11 perguntas feitas aos eleitores no referendo se concentra no reforço das medidas de segurança. As propostas incluem a mobilização