Sei que vou ouvir críticas, diz Rafa Kalimann sobre sua atuação em ‘Família É Tudo’

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) – Há um ano, Rafa Kalimann estava animada com um novo trabalho. Ela havia sido escalada para participar de “Vai na Fé”, mas foi barrada e deixou de fazer parte do elenco da novela de sucesso de Rosane Svartman por um motivo: ela não tinha registro profissional, o que é exigido pelo Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do Rio de Janeiro (Sated-RJ).

Agora, com o documento (DRT) guardadinho numa pasta, ela está prestes a estrear na TV como a vilã de “Família É Tudo”, próxima novela das 19h, da Globo. A trama é de Daniel Ortiz.
“Vi as chamadas e foi uma sensação gostosa demais. Me senti leve, sabe? Claro que tem toda uma expectativa minha e dos outros também, mas, depois de tantos nãos, vivo em estado de graça”, diz.

Rafa chega a franzir a testa ao ouvir a palavra “‘maldição” sobre a possibilidade de receber críticas e sofrer rejeição de parte do público, tal como aconteceu com Jade Picon em “Travessia” (2022). Também influencer e ex-BBB, ela estreou como atriz sem grandes experiências na atuação.

“Tenho feito as minhas orações e não fico pensando nisso. Sei que vou ouvir críticas de todo o jeito e elas virão, mas não só eu. Todo mundo que está começando sofre com isso”.

Rafa, 30 anos e mais de 21 milhões de seguidores no Instagram, condena aqueles que se acham no direito de fazer críticas cruéis a quem está começando, e se diz preparada para o que pode vir por aí. “Vou entrar de peito aberto. Se fosse ligar para os comentários negativos, já teria desistido do sonho de atuar.”

Um sonho antigo, diga-se de passagem. Ela conta que começou a fazer teatro aos 11 anos, mas logo teve que parar. “Não consegui continuar, fui para outras coisas, depois voltei para a interpretação”. Os anos se passaram e seu desejo de ser atriz só aumentou. Rafa é determinada.

“Nunca foi uma opção para mim desistir. Eu sabia que em algum momento poderia viver isso. Com 30, 40, 50, 60 anos, mas que eu viveria de alguma maneira, isso eu tinha certeza”, explica.

Para criar Jéssica, que ela define como uma “vilã complexa”, Rafa diz ter buscado referências em duas atrizes: Liv Ullmann, estrela de “Persona”, de Ingmar Bergman, e Letícia Colin, que interpretou Vanessa na novela “Todas as Flores”.

“São as minhas inspirações e fui buscando referências diferentes nelas para Jéssica, porque ela não é uma vilã óbvia. É aquela vilã que pode acontecer de o público amar porque a vilania nela é composta por muito amor. Isso pode fazer com que o público tenha compaixão por ela em alguns momentos”.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

A Grande Conquista 2 começa com desclassificação e desistência em três dias

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Grande Conquista 2 começou na última segunda-feira (22) e nem precisou de brigas para entregar desistências e desclassificações. Antes mesmo de o primeiro episódio ser exibido, a participante Ysani Kalapalo foi impedida de entrar na competição após receber diagnóstico positivo para Covid-19. "É com tristeza que informamos que Ysani

Arquidiocese apresenta projeto de reforma para a Catedral de Brasília

A Arquidiocese de Brasília lançou uma campanha para a restauração da Catedral de Brasília, na noite de quarta-feira (24/4). Tombada como patrimônio cultural mundial, a principal sede da Igreja Católica no Distrito Federal recebe 3 milhões de visitantes anualmente, mas está há 12 anos sem manutenção. Veja: O projeto pretende transformar o tempo em um

‘Espero um milagre’, diz Céline Dion em 1ª entrevista sobre doença rara

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Céline Dion, 56, falou com a Vogue França sobre sua doença rara. É a primeira entrevista da cantora desde que recebeu o diagnóstico de Síndrome da Pessoa Rígida (SPR). A famosa sofre de um condição neurológica rara. Os principais sintomas são espasmos musculares e rigidez do corpo. Na entrevista, Céline revelou