Apple cancelou modelo do Apple Watch com tela mais moderna

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

O site BGR noticiou esta semana que a Apple decidiu cancelar o desenvolvimento de um modelo do Apple Watch Ultra com tela microLED.

A informação foi posteriormente corroborada pelo analista Ming-Chi Kuo, um dos nomes mais respeitados no que diz respeito a temas relacionados com a Apple. Kuo afirma que o motivo prende-se ao fato da Apple não ter considerado que a tela microLED daria “um valor significativo” a este modelo do relógio inteligente.

Estima-se que as telas usadas atualmente no Apple Watch, custam à Apple cerca de 38 dólares (por unidade), um valor mais baixo do que os estimados 150 dólares por cada tela microLED.

Leia Também: Mesmo danificado, helicóptero Ingenuity continuará sendo usado pela NASA

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Missão Hubble celebra 34 anos com nova fotografia de galáxia

Em 24 de abril de 1990, o Telescópio Espacial Hubble foi lançado, dando início a uma missão que já dura 34 anos. Para celebrar o aniversário de hoje, os pesquisadores responsáveis pelo Hubble decidiram divulgar uma nova imagem da galáxia conhecida como Messier 76, situada a aproximadamente 3.400 anos-luz de distância da Terra. Os cientistas

Senado dos EUA aprova projeto que pode proibir TikTok no país

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Senado dos Estados Unidos aprovou nesta terça-feira (23) um projeto de lei que pode proibir o TikTok no país se a ByteDance, empresa chinesa que controla o aplicativo, não passar o comando da plataforma a um proprietário americano. A medida foi aprovada como parte de um pacote mais amplo

AGU diz ao STF que há indícios de crime no ‘Twitter Files’

A Advocacia-Geral da União (AGU) enviou nesta terça-feira, 23, ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma "notícia de fato" com informações que apontam uma "provável ocorrência de crime contra o Estado Democrático de Direito" na divulgação de informações sigilosas pelo jornalista americano Michael Shellenberger em seu perfil no X - os chamados "Twitter Files". A AGU