Biden comete nova gafe ao dizer ‘Ucrânia’ para se referir à Faixa de Gaza

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, 81, cometeu um novo deslize nesta sexta-feira (1º) ao confundir a Faixa de Gaza com a Ucrânia durante anúncio de que as Forças Armadas americanas vão fazer entregas comida e outros suprimentos no território palestino.

Em pronunciamento na Casa Branca ao lado da primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni, o líder americano disse “Ucrânia” duas vezes no momento em que comentava a crise no Oriente Médio e anunciava a entrega de ajuda pelo ar a Gaza.

“Nos próximos dias, vamos nos juntar aos nossos amigos da Jordânia para fornecimento aéreo de alimentos e suprimentos adicionais para a Ucrânia e procurar continuar a abrir outros caminhos para a Ucrânia, incluindo a possibilidade de um corredor marítimo para entregar grandes quantidades de assistência humanitária”, disse Biden.

Após o pronunciamento, um porta-voz da Casa Branca confirmou a jornalistas que Biden se referia ao território palestino, não ao país que foi invadido pela Rússia há mais de dois anos.

O anúncio de Biden sobre a entrega de suprimentos foi feito um dia depois que dezenas de palestinos morreram após o Exército israelense abrir fogo contra pessoas que se aglomeravam ao redor de caminhões de ajuda humanitária em um local próximo à Cidade de Gaza, a maior da faixa homônima.

O Hamas acusou Israel de matar 112 pessoas na ação. Tel Aviv disse que o número de palestinos mortos por tropas israelenses na ocasião foi menor do que dez, e que outros morreram pisoteados e atropelados pelos caminhões.

Países como a França e a Jordânia também já realizaram entregas de suprimentos pelo ar desde que a guerra começou, em 7 de outubro. Biden disse que os envios aconteceriam nos próximos dias, mas não deu detalhes da operação. Uma autoridade israelense falando em condição de anonimato à agência de notícias Reuters disse que o país “está ciente” de que os EUA enviarão ajuda humanitária pelo ar.

Tanto Biden quanto seu adversário Donald Trump, 77, lidam com questionamentos sobre a idade em ano de eleição nos Estados Unidos. Caso vença o pleito, o atual presidente terminaria o mandato com 86 anos, enquanto Trump, franco favorito para indicação republicana à disputa, encerraria com 81 anos.

Segundo uma pesquisa da NBC divulgada em setembro de 2023, quase 60% dos eleitores americanos afirmam que a saúde do democrata é uma grande preocupação. Em junho de 2023, Biden confundiu a Guerra da Ucrânia com a Guerra do Iraque. Ele também causou estranheza ao terminar um discurso sobre controle de armas com “God save the queen, man” (Deus salve a Rainha, cara). A Casa Branca, à época, esclareceu que o presidente disse a frase a alguém do público.

Mais uma gafe foi cometida quando o presidente dos EUA se encontrou com o primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak. Dessa vez, Biden se referiu ao premiê inglês como “Mr. President” (senhor Presidente).

No mês passado, Biden confundiu o nome do chefe do Executivo da França, Emmanuel Macron, com o do ex-presidente do país europeu François Mitterrand, morto em 1996. A gafe aconteceu durante um evento de campanha em Las Vegas.

A série de escorregadas do democrata tem sido alvo de críticas e piadas de seus adversários políticos, inclusive de Donald Trump. O ex-presidente já disse que Biden “não consegue formular duas frases juntas e está encarregado da guerra nuclear”.

Em janeiro, Trump decidiu provocar o democrata por conta de sua idade. O republicano divulgou um anúncio falso que se referia à Casa Branca como um lar de idosos, onde os residentes se sentem presidentes.

No entanto, o antecessor de Biden também cometeu erros durante a campanha. Em janeiro, Trump confundiu sua rival de partido, Nikki Haley, com a ex-presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi. Na ocasião, ele afirmou erroneamente que Haley era encarregada da segurança durante o ataque ao Capitólio dos EUA em 6 de janeiro de 2021, levando-a a questionar sua aptidão mental durante um discurso de campanha.

Leia Também: Mulher dada como morta teria ‘previsto’ a própria morte em vídeo

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Manifestantes tomam ruas de Paris para protestar contra os bombardeios de Israel em Rafah

Cerca de 10 mil pessoas protestaram em Paris, na França, nesta segunda-feira (27), para protestar contra os bombardeios israelenses em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, que segundo as autoridades locais deixaram pelo menos 45 mortos. Uma multidão se reuniu perto da embaixada israelense na capital francesa e entoou frases como “somos todos filhos de

Ataque a campo de refugiados de Gaza foi ‘incidente trágico’, diz Netanyahu

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que o ataque de Israel ao campo de refugiados de Rafah foi "incidente trágico". Ao menos 45 pessoas morreram. Premiê afirmou que ataque a Rafah será investigado. Ao Parlamento de Israel, Netanyahu afirmou que o país retirou "um milhão de moradores que não

Israel é criticado por comunidade internacional por ataque em Rafah, e EUA pedem precauções para proteger os civis

A Casa Branca disse estar impactada com o bombardeio israelense em Rafah, na Faixa de Gaza, que deixou ao menos 45 pessoas mortas, e pediu para que Israel tome precauções para proteger os civis. “Deixamos claro que Israel deve tomar todas as precauções possíveis para proteger os civis”, disse um porta-voz do Conselho de Segurança