Bolsonaro questionou e AGU disse que eleição ocorreu “de forma legal”

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O ex-presidente Jair Bolsonaro procurou a Advocacia Geral da União (AGU) para uma “alternativa jurídica” que contestasse os resultados das eleições de 2022, de acordo com o depoimento do ex-comandante da Aeronáutica, Carlos Baptista Júnior à Polícia Federal (PF).

A conversa teria sido testemunhada por Carlos Baptista no dia 1º de novembro daquele ano, durante uma reunião no Palácio da Alvorada, assim que o resultado do segundo turno das eleições presidenciais foi divulgado.

“Bolsonaro perguntou ao AGU se haveria algum ato que poderia fazer contra o resultado das eleições”, contou Baptista Júnior. Ainda de acordo com o ex-comandante da Aeronáutica, Bruno Bianco, que atuava como advogado geral da União, respondeu que o pleito havia “transcorrido de forma legal” e que, por isso, “não haveria alternativa jurídica para contestar o resultado”.

O militar ainda disse, em depoimento, que após a negativa da AGU, achou que “o ambiente estava controlado, que não haveria qualquer tentativa de reverter o resultado das eleições”.

A PF informou a Baptista Júnior que foram identificadas uma série de registros de entrada e saída do Palácio da Alvorada em seu nome, após o segundo turno das eleições. Quando questionado sobre o conteúdo dessas reuniões, o militar afirmou que o ex-presidente estava, aparentemente, “resignado com o resultado das eleições”.

Bolsonaro assustado Ainda de acordo com o depoimento do ex-comandante da Aeronáutica, o ex-presidente “aparentou ter esperança em reverter o resultado das eleições” depois do dia 14 de novembro de 2022.

Ele teria apresentado “a hipótese de utilização da Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e outros institutos jurídicos mais complexos, como a decretação do Estado de Defesa para solucionar uma possível crise institucional”.

Carlos Baptista Júnior afirmou que “tentava demover o então presidente Jair Bolsonaro de utilizar os referidos institutos jurídicos” e teria deixado claro a ele “que tais institutos não serviriam para manter o então presidente da República no poder após 1º de janeiro de 2023”. Ainda de acordo com Baptista Júnior, Bolsonaro “ficava assustado”.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Em Guanambi, homem com mandado de prisão em aberto é preso

Um homem acusado de receptação foi preso, nesta terça-feira (28), em Guanambi, pelo 17º Batalhão de Polícia Militar. O suspeito possuía um mandado de prisão em aberto. As informações são do site Achei Sudoeste, parceiro do Bahia Notícias.   A Polícia Militar recebeu informações de que um homem teria comprado objetos oriundos de um furto

Stalker: juiz prorroga medidas protetivas contra delegado da PCDF

O Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Águas Claras prorrogou, por mais três meses, as medidas protetivas fixadas contra o ex-delegado-geral da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) Robson Cândido. A decisão é da última terça-feira (28/5). Robson Cândido é acusado de usar a estrutura da PCDF, quando era chefe da

Gabriela Prioli fará palestra magna de abertura da II Conferência Estadual da Jovem Advocacia Baiana

A conferência magna da noite de abertura da II Conferência Estadual da Jovem Advocacia Baiana será feita pela mestre em Direito Penal pela USP, a advogada Gabriela Prioli. O evento será no dia 5 de junho, a partir das 18h30, no Centro de Convenções de Salvador.    Com milhares de seguidores nas redes sociais, a