Governo apresenta PL que regulamenta apps de transporte nesta 2ª (4/2)

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O governo federal apresentará ao Congresso Nacional, nesta segunda-feira (4/3), o projeto de lei (PL) que regulamenta o trabalho por aplicativos de transporte, feito por empresas como a Uber.

O texto, proposto pelo Ministério do Trabalho, foi fechado em acordo com representantes das empresas que operam aplicativos de transporte de passageiros, além de sindicatos e entidades do setor.

Os trabalhadores que prestam serviços por meio de motocicletas e bicicletas, como entregadores do iFood, por exemplo, ficaram de fora. O motivo foi a falta de consenso com as empresas.

A proposta enquadra os motoristas como trabalhadores autônomos, ou seja, sem vínculo pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Além disso determina o pagamento de uma alíquota de 27,5%  de contribuição no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Desses, 7,5% seriam pagos pelos trabalhadores e 20% recolhidos pelas empresas.

O texto também estabelece o pagamento por hora trabalhada, não por quilômetro rodado e tempo de viagem. A decisão foi criticada por entidades representativas do setor.

A Federação Brasileira de Motoristas de Aplicativos (Fembrapp) e a Associação dos Motoristas de Aplicativos de São Paulo (AMASP), afirmaram, em nota, que a proposta é prejudicial para os trabalhadores.

“O pagamento por hora não leva em conta as variações de demanda, não existe ganho real em pagamentos por hora em corridas. Os ganhos precisam levar em conta o quilômetro rodado e tempo, trânsito, distância e tempo de espera, que são fatores que influenciam diretamente na renda dos trabalhadores”, ressaltam as entidades.

“Além disso, o pagamento por hora pode incentivar a jornada excessiva e a exposição a riscos de acidentes e violência, bem como manipulação do algoritmo limitando os ganhos dos motoristas”, completa a nota.

As entidades também defendem que a contribuição previdenciária dos trabalhadores aconteça de forma semelhante aos microempreendedores individuais (MEI) — 5% do salário mínimo — e contribuintes individuais.

O projeto precisa passar pelo Senado e pela Câmara dos Deputados para virar lei.

STF julga o tema Em paralelo à proposta de regulamentação do governo, o Supremo Tribunal Federal (STF) também analisa o tema do vínculo empregatício entre empresas e motoristas.

Na última semana, os ministros decidiram que o entendimento adotado pela Corte servirá de baliza em todos os processos judiciais referentes à “uberização”.

O mérito da ação, ou seja, a decisão se há ou não vínculo entre motoristas e aplicativos, será analisado em julgamento posterior.

Em dezembro do ano passado, a Primeira Turma da Corte rejeitou a ligação entre as empresas e seus prestadores de serviço — a definição foi feita pela primeira vez por um colegiado do Supremo. Na ocasião, a Turma decidiu enviar uma outra ação sobre o mesmo tema para a avaliação de todos os ministros.

O entendimento do Supremo contraria algumas decisões Justiça do Trabalho que têm reconhecido o vínculo de emprego.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

STJ elege nova presidência para biênio 2024-2026 na próxima terça-feira

Na próxima terça-feira (23), o Pleno do Superior Tribunal de Justiça (STJ) vai realizar a eleição para escolha dos ministros que irão ocupar os cargos de presidente e vice-presidente da Corte no biênio 2024-2026. A sessão está marcada para às 10h. Os eleitos assumirão os lugares da ministra Maria Thereza de Assis Moura e do

Vídeo: pitbull ataca e mata shih-tzu que andava com tutora no litoral

São Paulo – Câmeras de segurança flagraram o ataque de um pitbull a um cão da raça shih-tzu que estava passeando com a tutora na cidade de Mongaguá, no litoral sul de São Paulo. O animal teria escapado de casa e seguido o dono até uma padaria, segundo o portal G1. Os cães estavam em

Polícia Civil resgata 15 crianças em situação de vulnerabilidade social na Micareta de Feira

Equipe da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes contra a Criança e ao Adolescente (Dercca) resgatou 15 crianças em situação de vulnerabilidade social, na companhia de adultos, que atuavam como vendedores ambulantes no circuito do evento, neste sábado (20) na Micareta de Feira de Santana. Entre as vítimas, dois bebês também foram localizados, na Operação