Mineiro assassino foge para os Estados Unidos e é preso pela Interpol

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

A Polícia Federal (PF), por meio do Núcleo de Cooperação Internacional, prendeu, nessa sexta-feira (1/3), um homem foragido internacionalmente, nos Estados Unidos.

O indivíduo, natural de Irambacuri (MG), possuía um mandado de prisão preventiva em aberto pelo crime de homicídio qualificado.

O homem estava na lista de Difusão Vermelha da Interpol e foi detido em solo americano pela Immigration and Customs Enforcement (ICE – U.S.), que é a autoridade de Imigração dos EUA, por estar em desacordo com as normas migratórias do país.

Diante da situação, o indivíduo ficará custodiado nos Estados Unidos aguardando a tramitação do processo de imigração ilegal e a consequente deportação para o Brasil.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Empresa pede apreensão em imóvel de ministro por dívida de campanha

O ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, foi alvo no mês passado de um pedido à Justiça para que o apartamento da Câmara que ele ocupa tivesse bens apreendidos para pagar uma dívida da campanha de 2014. Ainda não há decisão sobre o caso, que tramita no Tribunal de Justiça de São Paulo.

Mulher é encontrada morta após provocar e levar soco de torcedor do Bahia

O corpo de Sione Matos dos Santos, de 46 anos, foi encontrado dentro de casa, na noite desta segunda-feira (27), na localidade do Bairro da Paz, em Salvador. Informações preliminares apontam que ela teria sido agredida em um bar na noite de domingo (26), após brincar com um homem sobre a eliminação do Bahia na

Doações a ONG teriam sido usadas em campanha defendida por Dallagnol

Em conversas que integram os documentos da Operação Spoofing, obtidas por meio de um ataque hacker, Bruno Brandão, diretor da organização não governamental (ONG) Transparência Internacional (TI) Brasil, de combate à corrupção, trocou mensagens com o ex-procurador Deltan Dallagnol (foto em destaque), em 2017, sobre uma possível doação à instituição que teria parte revertida em prol