“Vão todos se foder”: Torres diz que referia-se à “perda dos avanços”

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública do governo de Jair Bolsonaro (PL), Anderson Torres, foi questionado pela Polícia Federal (PF) o que quis dizer ao declarar, durante a polêmica reunião ministerial, que todos iriam “se foder” caso o PT ganhasse as eleições presidenciais de 2022.

Em reunião de Bolsonaro com a cúpula do governo federal, realizada no dia 5 de julho de 2022, Torres afirmou: “Senhores, todos vão se foder! Eu quero deixar bem claro isso. Eu quero que cada um pense no que poder fazer previamente porque todos vão se foder”.

Durante depoimento dado à PF no dia 22 de fevereiro de 2024, o ex-ministro de Bolsonaro disse que reitera as informações dadas naquele dia e afirmou que se tratava “de um chamamento para que todos os ministros atuassem dentro de suas pastas para que pudessem contribuir com o processo eleitoral que viria e uma almejada vitória”.

As investigações da PF apontam que a reunião ministerial teve como finalidade “cobrar dos presentes conduta ativa na promoção da ilegal desinformação e ataques à Justiça Eleitoral: promoção e a difusão, em cada uma de suas respectivas áreas, desinformações quanto à lisura do sistema de votação, utilizando a estrutura do Estado brasileiro para fins ilícitos e desgarrados do interesse público”.

No último depoimento, em fevereiro deste ano, Torres disse que não acredita em fraude nas eleições ou que houve parcialidade do Poder Judiciário.

Durante a oitiva, o ex-ministro afirmou ter visitado Bolsonaro no dia 1º de novembro de 2022, após a derrota para Lula (PT) no segundo turno das eleições, e sentiu nele “um sentimento de decepção”. O ex-ministro da Justiça declarou que, naquele mês, Bolsonaro “desenvolveu um quadro de depressão, culminando na redução de sua imunidade e o desenvolvimento de uma erisipela”.

O ex-ministro afirmou que não participou de reuniões para tratar de decretação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), de Estado de Defesa ou de Estado de Sítio, nem forneceu suporte jurídico ou técnico para tais medidas.

“Em nenhuma oportunidade no Palácio da Alvorada, naquele período, tratou de golpe de Estado, abolição do Estado Democrático de Direito, Garantia da Lei e da Ordem, Estado de Sítio, Estado de Defesa, intervenção militar ou algo do gênero”, diz trecho do depoimento.

Minuta do golpe A Polícia Federal encontrou na casa de Torres a minuta do documento que decretaria Estado de Defesa no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), durante busca e apreensão realizada no dia 10 de janeiro de 2023.

Em depoimento à PF, o ex-ministro afirmou que a minuta foi entregue ao gabinete e estava em uma pasta que costumava levar para despachar em casa, mas iria descartar o papel como lixo. “O texto em questão era mau redigido e uma aberração jurídica”, declarou.

Torres deixou o ministério da Justiça e Segurança Pública e retornou ao cargo de secretário de Segurança Pública do DF em janeiro de 2023. Ele viajou para os EUA mesmo diante de avisos sobre convocação de atos violentos para 8 de janeiro. À PF, o ex-ministro negou ter se encontrado com Bolsonaro, que também estava no país.

O ex-ministro afirmou que a viagem dele era familiar, no período de férias escolares dos filhos, e que as passagens foram compradas em novembro de 2022. Ele pediu para a PF confirmar, junto às autoridades dos EUA, a informação de que não se encontrou com o Bolsonaro junto às autoridades dos EUA.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Inquilina é morta, na frente do filho de dois anos, por ex-namorado de dona do imóvel

Uma mulher foi morta a facadas enquanto dormia ao lado do seu filho de dois anos na cidade de Guaramirim, em Santa Catarina. O suspeito do crime é o ex-companheiro da proprietária do imóvel. Após o crime, o homem filmou a cena e foi preso preventivamente.   De acordo com o G1, a ex-companheira dele

Cárcere privado: mulher apagou contatos, prendeu e agrediu namorada

O caso de terror da jovem de Curitiba encontrada em cárcere privado em Brasília envolveu um relacionamento abusivo. A autora do crime agrediu a vítima, excluiu todos os contatos do celular dela, apagou mensagens do WhatsApp e a impediu de sair de casa sozinha. A curitibana ainda tinha que trabalhar dentro da residência, sem receber

Delegado do caso Marielle suplica para ser ouvido e Moraes atende pedido

O delegado Rivaldo Barbosa, preso por suspeita de planejar o assassinato da vereadora do Rio Marielle Franco, vai ser ouvido pela Polícia Federal após suplicar ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moares, que atendeu ao pedido. A intimação acontece após Rivaldo Barbosa enviar bilhete ao ministro pedindo "pelo amor de Deus" para