Ataque contra Israel celebrado efusivamente no Teerã; veja as imagens

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Os iranianos saíram às ruas, na madrugada deste domingo, para celebrar o ataque contra Israel, como retaliação ao bombardeamento do consulado iraniano em Damasco, no dia 1 de abril, no qual morreram sete membros da Guarda Revolucionária e seis cidadãos sírios.

As imagens divulgadas pelas agências internacionais mostram um ambiente de festa no centro de Teerã. Os iranianos gritaram slogans contra os Estados Unidos e Israel e exibiram imagens do líder supremo do Irã, ‘ayatollah’ Ali Khamenei, e do falecido general iraniano Qessam Soleimani, comandante da força de elite iraniana al-Quds,  assassinado em 2020, no Iraque, por ordem do então presidente dos Estados Unidos Donald Trump. 

Pode ver as imagens na fotogaleria acima.

O chefe das forças armadas iranianas disse hoje que o ataque realizado durante a noite contra Israel “alcançou todos os seus objetivos”, especificando que nenhum centro urbano ou econômico foi alvo de ‘drones’ (aeronaves não tripuladas) e mísseis.

O general Mohammad Bagheri afirmou que os dois locais mais visados foram “o centro de inteligência que forneceu aos sionistas as informações necessárias” para o ataque que destruiu o consulado iraniano em Damasco no dia 1 de abril, bem como “a base aérea de Novatim, de onde descolaram os aviões de caça israelitas ‘F-35’ que bombardearam as instalações diplomáticas do Irã na capital síria.

Por seu lado, o comandante em chefe da Guarda Revolucionária do Irã, general Hossein Salami, advertiu hoje que Teerã contra-atacará de forma “mais severa que os bombardeamentos” de sábado à noite se Israel iniciar uma ofensiva contra interesses ou cidadãos iranianos em qualquer parte do país.

Israel, que vinha alertando há vários dias que a retaliação iraniana era iminente, planeja agora uma “resposta significativa” ao ataque iraniano, disse um funcionário que pediu anonimato à estação de televisão Channel 12. 

O Exército israelita afirmou que, dos cerca de 170 ‘drones’ que o Irã lançou antes da meia-noite, nenhum chegou ao território israelita; e também teria interceptado 25 dos cerca de 30 mísseis de cruzeiro e quase todos os “mais de 120” mísseis balísticos.

O ministro da Defesa do Irã, Mohammad Reza Ashtiani, avisou sábado à noite que qualquer país que permita a utilização do seu espaço aéreo ou território para realizar ataques contra solo iraniano receberá uma resposta forte.

O ataque iraniano ocorreu como retaliação ao bombardeamento atribuído por Teerã a Israel, ao consulado do Irã em Damasco. Vale lembrar que entre os mortos estava o líder do ramo da Força Quds para a Síria e o Líbano, o Brigadeiro-General Mohamed Reza Zahedi.

O líder supremo do Irã, ‘ayatollah’ Ali Khamenei, insistiu repetidamente nas últimas semanas que “o regime sionista deve ser e será punido”, ameaças que foram repetidas por praticamente todos os altos funcionários do país após o ataque em Damasco.

Leia Também: Israel intercepta drones em Jerusalém, e Irã diz para EUA ficarem de fora

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Ataque a campo de refugiados de Gaza foi ‘incidente trágico’, diz Netanyahu

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que o ataque de Israel ao campo de refugiados de Rafah foi "incidente trágico". Ao menos 45 pessoas morreram. Premiê afirmou que ataque a Rafah será investigado. Ao Parlamento de Israel, Netanyahu afirmou que o país retirou "um milhão de moradores que não

Israel é criticado por comunidade internacional por ataque em Rafah, e EUA pedem precauções para proteger os civis

A Casa Branca disse estar impactada com o bombardeio israelense em Rafah, na Faixa de Gaza, que deixou ao menos 45 pessoas mortas, e pediu para que Israel tome precauções para proteger os civis. “Deixamos claro que Israel deve tomar todas as precauções possíveis para proteger os civis”, disse um porta-voz do Conselho de Segurança

Macron apela por uma Europa forte e soberana, visando ‘defesa e segurança’ diante da ameaça russa

O presidente francês, Emmanuel Macron, fez um apelo na Alemanha, nesta segunda-feira (27), para que se tenha uma Europa mais forte e soberana como garantia da paz, prosperidade e democracia, em um momento que o velho continente atravessa “um momento sem precedentes na sua história” e, diante da ameaça russa, deve pensar na sua própria