Cabo Daciolo defende liberdade para líder do Comando Vermelho

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

Ex-candidato à Presidência da República e ex-deputado federal, Cabo Daciolo pediu em suas redes sociais pela liberdade de Márcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, um dos líderes da facção Comando Vermelho.

Daciolo pediu pela liberdade de Marcinho VP, acusado de tráfico de drogas e homicídios, e citou o cantor Oruam, filho do traficante, que usou um show seu em São Paulo para pedir a soltura do pai.

“Liberdade para Marcinho VP, pai de Oruam”, escreveu Daciolo em seu “X”. “Apenas um grito de um Filho com saudades do Pai”, completou.

Em seguida, Daciolo cita um trecho do evangelho de São Lucas, na qual Jesus recita uma parte do livro de Isaías da Bíblia: “O Espírito do Senhor está sobre mim, pois ele me ungiu para anunciar a boa notícia aos pobres: enviou-me para proclamar a libertação aos presos”.

Na publicação, Daciolo ainda colocou uma foto de Oruam em seu show no festival Lollapalooza, quando o cantor vestiu uma camisa com uma foto de seu pai e pediu por sua liberdade.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Empresa pede apreensão em imóvel de ministro por dívida de campanha

O ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, foi alvo no mês passado de um pedido à Justiça para que o apartamento da Câmara que ele ocupa tivesse bens apreendidos para pagar uma dívida da campanha de 2014. Ainda não há decisão sobre o caso, que tramita no Tribunal de Justiça de São Paulo.

Mulher é encontrada morta após provocar e levar soco de torcedor do Bahia

O corpo de Sione Matos dos Santos, de 46 anos, foi encontrado dentro de casa, na noite desta segunda-feira (27), na localidade do Bairro da Paz, em Salvador. Informações preliminares apontam que ela teria sido agredida em um bar na noite de domingo (26), após brincar com um homem sobre a eliminação do Bahia na

Doações a ONG teriam sido usadas em campanha defendida por Dallagnol

Em conversas que integram os documentos da Operação Spoofing, obtidas por meio de um ataque hacker, Bruno Brandão, diretor da organização não governamental (ONG) Transparência Internacional (TI) Brasil, de combate à corrupção, trocou mensagens com o ex-procurador Deltan Dallagnol (foto em destaque), em 2017, sobre uma possível doação à instituição que teria parte revertida em prol