Deputados da PF se colocaram contra a instituição e a favor de Brazão

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

A Câmara tem hoje sete deputados ligados à Polícia Federal. E a grande maioria votou a favor da liberdade de Chiquinho Brazão, acusado pela PF de ser o mandante do assassinato da vereadora Marielle Franco.

De certa maneira, eles se colocaram contrários à instituição que os ajudou a se eleger, já que a investigação foi tocada pela Polícia Federal em conjunto com o Ministério Público do Rio de Janeiro.

Dos sete, cinco votaram pela soltura do deputado, que está no presídio de segurança máxima de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. São eles Eduardo Bolsonaro, Sanderson, Gilvan da Federal, delegado Matheus Freitas e delegado Ramagem.

Aluísio Nunes não votou. E o único que entendeu que Brazão deveria permanecer preso foi o delegado Matheus Laiola.

Apesar dos deputados ligados à PF terem votado pela soltura de Brazão, ele permaneceu preso com 277 votos. Eram necessários 257, no mínimo. Outros 128 deputados votaram pela liberdade dele e 28 estavam ausentes.

Já segue a coluna no Instagram? E no Twitter?

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Suspeito de integrar ‘Central de Fake News’ é alvo de operação na RMS

Um homem suspeito de integrar 'central de fake news' com atuação no Rio Grande do Norte foi preso, nesta segunda-feira (27), após mandado de busca e apreensão cumprido em sua residência, no município de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador.    A ação ocorreu como parte do desdobramento da 'Operação DesFarsa', deflagrada pelo

Inquilina é morta, na frente do filho de dois anos, por ex-namorado de dona do imóvel

Uma mulher foi morta a facadas enquanto dormia ao lado do seu filho de dois anos na cidade de Guaramirim, em Santa Catarina. O suspeito do crime é o ex-companheiro da proprietária do imóvel. Após o crime, o homem filmou a cena e foi preso preventivamente.   De acordo com o G1, a ex-companheira dele

Cárcere privado: mulher apagou contatos, prendeu e agrediu namorada

O caso de terror da jovem de Curitiba encontrada em cárcere privado em Brasília envolveu um relacionamento abusivo. A autora do crime agrediu a vítima, excluiu todos os contatos do celular dela, apagou mensagens do WhatsApp e a impediu de sair de casa sozinha. A curitibana ainda tinha que trabalhar dentro da residência, sem receber