Eduardo Bolsonaro diz que prisão de Brazão é inconstitucional e serve como ‘isca’

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) publicou, no X (antigo Twitter), um vídeo defendendo a soltura do também deputado Chiquinho Brazão, acusado de ser um dos mandantes dos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes. Para o parlamentar, a decisão de manter Brazão em prisão preventiva, decretada, em 24 de março, pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moares, significa “atropelar a Constituição”.

Eduardo defende que o acusado permaneça em liberdade até o fim do processo e ressalta que a Constituição “fala que nós deputados só podemos ser presos em flagrante de delito de crime inafiançável”. Segundo ele, o caso serve como uma “isca” para que, a partir da prisão preventiva de Brazão, “antes do julgamento final, mesmo fora de um flagrante delito”, deputados sejam “encarcerados”.

Para o parlamentar, na votação desta quarta-feira, 10, que ocorre na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados e decidirá se o parlamentar continua preso ou não, o que “menos importa é a liberdade individual do deputado Brazão”. De acordo com o filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), o que os deputados vão decidir é “se nós vamos atropelar a Constituição ou se a gente realmente vai fazer valer as leis do Brasil”.

Sob argumento de que a decisão do STF é inconstitucional, Eduardo diz que não pode “admitir que ainda com processo a percorrer, ainda com a possibilidade da ampla defesa e do contraditório”, Brazão continue preso. No entanto, defende que “se for comprovada” a culpa do deputado, “que ele apodreça na cadeia”.

O deputado, o irmão dele Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), e o ex-chefe de Polícia Civil do Rio Rivaldo Barbosa foram apontados como autores intelectuais do crime após a deflagração da Operação Murder Inc. da Polícia Federal (PF), da Procuradoria Geral da República (PGR) e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ).

Chiquinho ainda é acusado de obstruir a Justiça ao comprometer as operações policiais que apuravam os homicídios, o que justificou a decisão de Moraes. Agora, constitucionalmente, cabe à Câmara manter ou não a prisão, dependendo de maioria absoluta de votos, 257, para chegar a um resultado.

Para assistir ao vídeo de Eduardo Bolsonaro, basta clicar aqui.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

De ponta a ponta, monegasco Charles Leclerc vence em casa pela primeira vez na Fórmula 1

O piloto monegasco Charles Leclerc (Ferrari) venceu neste domingo (26) o Grande Prêmio de Mônaco pela primeira vez em sua carreira na Fórmula 1, na 8ª etapa da temporada 2024. A equipe italiana aproveita o momento para faturar a segunda vitória na temporada 2024. “Foi a corrida que me fez sonhar em um dia ser

Milton Leite teve ‘papel juridicamente relevante na execução dos crimes’ da Transwolff, diz Promotoria

ROGÉRIO PAGNANSÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Na investigação sobre a possível infiltração do PCC no transporte público da capital, promotores do Gaeco (grupo de combate ao crime organizado) afirmam que o presidente da Câmara de São Paulo, Milton Leite (União Brasil), teve "papel juridicamente relevante na execução dos crimes sob apuração" envolvendo a Transwolff. Os

Bolsonaro critica fala de Lula sobre ‘irresponsabilidade’ de Israel em Gaza

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) criticou o atual ocupante do cargo, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), pela postura adotada diante do conflito entre Israel e o grupo terrorista Hamas. Durante evento em Guarulhos no sábado, 25, o petista pediu solidariedade às mulheres e crianças "que estão morrendo na Palestina por conta da irresponsabilidade do