Hamas considera ataque iraniano “direito natural e resposta merecida”

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O movimento islâmico Hamas considerou neste domingo (14) a resposta iraniana, com mais de 300 drones, mísseis balísticos e de cruzeiro lançados sábado (13) contra Israel, como “um direito natural e uma resposta merecida”.

“Nós, no Movimento de Resistência Islâmica [Hamas], consideramos a operação militar levada a cabo pela República Islâmica do Irã contra a entidade ocupante sionista como um direito natural e uma resposta merecida ao crime de ataque ao consulado iraniano em Damasco”, a 1º deste mês, referiu, num comunicado, o Hamas, movimento apoiado por Teerã.

O Hamas também apelou ao resto dos países árabes, “aos povos livres do mundo e às forças de resistência da região” para continuarem a apoiar “a liberdade e independência” do povo palestino, em referência à guerra que Israel continua que se alastrou na Faixa de Gaza e já provocou a morte de mais de 33,6 mil pessoas em pouco mais de seis meses.

“Pedimos a todas as forças da nação que continuem a apoiar a resistência e a operação Al Aqsa Flood”, disse, referindo-se ao nome oficial dado aos ataques perpetrados em 7 de outubro de 2023 contra Israel, conforme foi noticiado pelo jornal palestino Filastin, associado ao Hamas.

No total, sete membros da Guarda Revolucionária e seis sírios morreram no atentado bombista ao consulado iraniano em Damasco, pelo qual, como é habitual neste tipo de casos, Israel não assumiu a responsabilidade.

Tal como relatado hoje pelo Exército israelense, dos cerca de 170 drones (aeronaves não tripuladas) que o Irã lançou antes da meia-noite, nenhum atingiu o território israelense e 25 dos cerca de 30 mísseis de cruzeiro e quase todos dos mais de 120 mísseis balísticos também foram interceptados.

Segundo o porta-voz militar israelense, Daniel Hagari, “99% das ameaças lançadas contra o território israelita foram interceptadas, uma conquista estratégica muito significativa”.

Em conferência de imprensa, Hagari disse que o ataque representou “mais de 300 ameaças de vários tipos” e confirmou vários lançamentos, sem especificar números, provenientes dos “territórios do Iraque e do Iêmen”.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Ataque a campo de refugiados de Gaza foi ‘incidente trágico’, diz Netanyahu

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que o ataque de Israel ao campo de refugiados de Rafah foi "incidente trágico". Ao menos 45 pessoas morreram. Premiê afirmou que ataque a Rafah será investigado. Ao Parlamento de Israel, Netanyahu afirmou que o país retirou "um milhão de moradores que não

Israel é criticado por comunidade internacional por ataque em Rafah, e EUA pedem precauções para proteger os civis

A Casa Branca disse estar impactada com o bombardeio israelense em Rafah, na Faixa de Gaza, que deixou ao menos 45 pessoas mortas, e pediu para que Israel tome precauções para proteger os civis. “Deixamos claro que Israel deve tomar todas as precauções possíveis para proteger os civis”, disse um porta-voz do Conselho de Segurança

Macron apela por uma Europa forte e soberana, visando ‘defesa e segurança’ diante da ameaça russa

O presidente francês, Emmanuel Macron, fez um apelo na Alemanha, nesta segunda-feira (27), para que se tenha uma Europa mais forte e soberana como garantia da paz, prosperidade e democracia, em um momento que o velho continente atravessa “um momento sem precedentes na sua história” e, diante da ameaça russa, deve pensar na sua própria