Jovem cria TikTok para comentar crimes e descobre que era vítima de um

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Bekah Smith alega que o TikTok lhe salvou a vida após uma relação em que foi vítima de violência doméstica.

Durante três anos e meio, a mulher de 34 anos esteve num relacionamento sério, cujos contornos agressivos só vieram à tona depois dela ter criado uma página no TikTok dedicado a casos criminais.

Apaixonada pelo assunto, Bekah decidiu criar um perfil em maio de 2023, onde dava a sua opinião sobre vários crimes ocorridos no Reino Unido. Na rede social conseguiu juntar 38 mil seguidores, conta o The Mirror.

Foi através das suas várias publicações que começou a perceber que os comportamentos do seu namorado não era normal.

@itzbekahsmithnew KARL DRAPER sentenced yesterday to two years in prison for the three years of hell he put me through. Grateful for the outcome today. Just wish I left sooner. If anyone is in a similar situation I’m only a message. Domestic Violence is everywhere, and there is not enough done to protect the women of our communities. We need to break the stigma that we shouldn’t be afraid to speak our truth, we shouldn’t be afraid to leave, and we shouldn’t let these men control our pasts, presents and futures. #domesticviolence #dvstory #dvawareness #dvsurvivor #endviolenceagainstwomen original sound – Bekah Smith

“Ele se tornou horrível desde o dia em que se mudou para minha casa – havia tantos sinais. Ele me isolou de todo mundo e me vigiava quando eu saia. Ele controlava as minhas redes sociais e não me deixava ompartilhar algumas cosias. Os meus amigos e família não sabiam o quão mau era – e nem eu percebi”, disse.

Draper tentou estrangular por diversas vezes a companheira, tendo ela registrado ao longo de vários meses as marcas que a sua violência lhe deixaram no corpo. As agressões mantivera-se durante a gravidez.

Apesar dos muitos vídeos que compartilhou na sua conta de TikTok, a mulher nunca comentou casos de violência doméstica. Percebe agora que não o fazia, por saber que ela própria estava em um relacionamento abusivo. A popularidade nas redes sociais, lhe permitiu vencer o medo e denunciar a situação em que vivia

O homem acabou sendo preso em setembro de 2023. Em fevereiro deste ano, o Tribunal da Coroa de Liverpool declarou-o culpado de cinco acusações de agressão e de uma acusação de controle coercitivo, tendo sido condenado a dois anos de prisão e a uma ordem de restrição de cinco anos.

Já a mulher, continua publicando na sua página do TikTok, chamada @itzbekahsmithnew, admitindo: “A minha conta do TikTok me salvou a vida”.

“Estou fazendo isto para que nenhuma outra mulher tenha de passar pelo que eu passei”, finaliza.

Leia Também: Bebê dada como morta ‘ressuscita’ no funeral, mas morre uma semana depois

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Mulher queima roupas do ex-marido após descobrir relação com melhor amiga

Uma mulher de 50 anos fez uma fogueira com roupas do ex-marido, após ter descoberto que o homem mantinha uma relação extraconjugal com a sua melhor amiga - e antiga cunhada. Rhian Templeton ateou fogo a uma montanha de ternos, camisas, casacos e calças pertencentes ao seu ex-marido, que estavam na garagem da casa onde

De Lula 1 a Lula 3, Brasil busca cavar espaço global em tensão com os EUA

FERNANDA PERRINWASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - A maior projeção global buscada pelo Brasil desde os anos 2000 tem provocado com frequência tensões com o governo dos Estados Unidos, numa fase em que a hegemonia alcançada nos anos 1990 começa a ser questionada por seguidas crises econômicas e geopolíticas. Do lado brasileiro, a explicação predominante para esses

Lucy Letby não pode recorrer da condenação por assassinato de sete bebês

A enfermeira Lucy Letby, que assassinou sete bebês e tentou matar outros seis enquanto trabalhava na unidade neonatal do Hospital Countess of Chester, entre junho de 2015 e junho de 2016, no Reino Unido, viu a autorização para recorrer da sua condenação ser negada. A mulher - que foi condenada a 14 penas de prisão