Por que os estrangeiros sacaram quase R$ 30 bilhões da Bolsa em 2024

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

A retirada líquida de recursos da Bolsa brasileira (B3) por parte de investidores estrangeiros chegou a R$ 29,4 bilhões em 2024, considerados dados quarta-feira, 17 de abril. Neste mês, o saldo da movimentação desse mesmo grupo está negativo em R$ 7,55 bilhões.

Para analistas, boa parte dessa debandada de valores está relacionada à política monetária dos Estados Unidos. A economia americana dá sucessivos sinais de aquecimento, o que faz com que a perspectiva de cortes na taxa de juros do país, hoje fixados no intervalo entre 5,25% e 5,50%, seja cada vez mais distante.

Nesse cenário, com juros nas alturas na economia americana, aumenta o interesse dos investidores pelos títulos da dívida dos EUA, os Treasuries – considerados os mais seguros do mundo. Em contrapartida, ativos de renda variável com maior risco, como as ações negociadas em bolsa perdem atratividade, especialmente em países emergentes como o Brasil. Afrouxamento fiscal Além disso, observam analistas, as recentes mudanças na política fiscal do Brasil também têm interferido na decisão dos investidores. Nesta semana, por exemplo, o governo federal baixou o sarrafo da meta fiscal para 2025 e 2026.

No próximo ano, em vez de um superávit primário (saldo positivo entre gastos e despesas do governo, sem contar o pagamento dos juros da dívida pública) de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) a nova previsão é de um resultado zero, com eventual déficit de 0,25% do PIB. Para 2026, a estimativa de saldo positivo caiu de 1% para 0,25% do PIB.

Reversão de aportes A postura dos investidores internacionais em relação à B3 mudou desde o fim do ano passado. Nesse caso, 2023 encerrou com um aporte líquido de R$ 44,85 bilhões. Na ocasião, o mercado apostava em uma queda dos juros americanos em março, daí o resultado positivo.

Com a mudança da projeção, houve saques líquidos de R$ 22,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano. Essa retirada foi a maior registrada num período de três meses desde o terceiro trimestre de 2021, quando o grupo de não residentes, como são chamados os investidores internacionais no jargão, vendeu R$ 23,7 bilhões em ações na Bolsa brasileira.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Confira os novos itinerários dos ônibus metropolitanos que operavam na orla de Salvador

A Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba), anunciou no início da noite desta segunda-feira (27), os novos itinerários dos ônibus do sistema metropolitano que operavam na orla de Salvador. A nova programação também contou com a colaboração da Secretaria de Mobilidade (Semob).  A modificação atingiu ao

Sabrina Sato fala sobre relacionamento com Nicolas Prattes

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Sabrina Sato e Nicolas Prattes abriram a intimidade para a Glamour e deram detalhes sobre o relacionamento. A apresentadora diz que percebeu que estava apaixonada pelo ator no Carnaval. "[Você sabe que está apaixonada] quando todos seus amigos e suas amigas não aguentam mais você falar dele. Isso aconteceu no

Saúde do DF cria grupo para rever Plano de Enfrentamento da Dengue

Nesta segunda-feira (27/5), a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) criou um grupo de trabalho para revisar e atualizar o plano de enfrentamento à dengue e outras arbovirores. A medida foi estabelecida no Diário Oficial do DF (DODF) desta segunda, data em que o DF já soma 365 mortes por dengue apenas em 2024.